IstoÉ

Flávio Bolsonaro está encrencado no Coaf, mas seu pai Bolsonaro vai ajudar
Divulgação
Flávio Bolsonaro está encrencado no Coaf, mas seu pai Bolsonaro vai ajudar


Jair Bolsonaro foi eleito prometendo mudar o Brasil. Mais de 57 milhões de brasileiros acreditaram nessa balela. Não foi preciso mais do que poucos meses para ele mostrar a real faceta de seu governo. Disse que acabaria com a corrupção, mas não fica nem um pouco vermelho ao ver o filho senador Flávio fazer o milagre da multiplicação dos imóveis no Rio de Janeiro. E, pior, não se incomoda que esse mesmo filho seja o pivô de uma inexplicável ligação com seu ex-motorista, Fabrício Queiroz, que enriqueceu de forma suspeita e até depositou dinheiro na conta da primeira-dama.

Leia também: Confira como foram os protestos em defesa da Amazônia nesta sexta pelo Brasil

Você viu?

Ou seja, o filho mais velho acabou envolvendo a família toda nos seus malfeitos, mas o pai, em vez de repreendê-lo, lhe dá a maior força. Quer afastar do governo todas as autoridades que, de uma forma ou outra, contribuíram para que o filho Flávio Bolsonaro , e também o amigo Queiroz, sejam investigados. Usa exatamente a mesma estratégia que os corruptos petistas utilizavam: meu filho nada fez de errado e tudo não passa de armação da oposição para prejudicar o governo.

O presidente quer dar filé mignon aos filhos , mas a maioria dos brasileiros mal consegue dar carne de pescoço para seus rebentos

O pai protege seus rebentos em todos os seus atos, seja onde haja suspeita de ações criminosas ou diante de um simples gesto de desobediência do poder paterno. Quando o filho Carlos desancou ministros do governo, como Gustavo Bebianno e Santos Cruz, atacando-os no Twitter, Bolsonaro quis que o “garoto” lhe devolvesse a senha da conta da rede social para que parasse de falar bobagens em seu nome. Carluxo, como é conhecido, não devolveu e ainda fez pirraça, apimentando o tom das mensagens.

Leia também: "Vai botar um petista na PGR? Óbvio que não", afirma Flávio Bolsonaro

O auge dessa desmedida proteção aos filhos veio com a indicação de Eduardo para o cargo de embaixador em Washington. Contrariando os que dizem que a nomeação configuraria a prática de nepotismo — classificada como crime —, Bolsonaro insiste. Para justificar que pode ser embaixador, Eduardo disse que já tinha fritado hambúrguer no Maine. O pai, mais uma vez, não deu bola para os críticos dessa argumentação, no mínimo imoral, e disse que almeja dar o melhor para os filhos. Afirmou que se puder dar filé mignon a eles, dará. Ora, presidente, a diplomacia brasileira não é um açougue da Barra da Tijuca, onde o senhor morava. Lembre-se que boa parte dos brasileiros mal consegue dar carne de pescoço de galinha para seus filhos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários