Tamanho do texto

Segundo os organizadores, mais de um milhão de pessoas foram às ruas no domingo (9) contra lei que permitiria extradição para a China continental

Agência Brasil

Manifestantes em frente à polícia em Hong Kong
Reprodução/The Guardian
As ruas de Hong Kong ficaram repletas de manifestantes contrários à nova lei de extradição

Autoridades reprimiram atos violentos em Hong Kong após manifestantes entrarem em confronto com a polícia durante um protesto contra a revisão da lei sobre extradição.

Leia também: Líder da extrema direita italiana é alvo de protestos na parada LGBT de Roma

Organizadores afirmam que mais de um milhão de pessoas protestaram em Hong Kong no domingo (9) contra um projeto de lei que possibilitaria a extradição de suspeitos para a China continental, onde seriam julgados.

Manifestantes nas ruas em Hong Kong
Reprodução/Twitter Helen Davidson
Um milhão de pessoas protestaram neste domingo, segundo organizadores

Após a manifestação, que durou quase oito horas, atos violentos tiveram início, com alguns manifestantes derrubando cercas de metal no entorno do parlamento. As cercas foram reutilizadas pelos manifestantes, que as posicionaram no meio da rua para realizar um protesto sentado.

As autoridades desimpediram a área nesta segunda-feira (10) de manhã.

Leia também: Número de venezuelanos que fugiram de crise chega a 4 milhões, diz ONU

A segunda mais alta autoridade de Hong Kong , Matthew Cheung, lamentou o uso de violência, reforçando a necessidade de se aprovar o projeto de lei. É provável que mais protestos sejam realizados, já que grupos pró-democracia vêm convocando pessoas a cercar o parlamento caso o governo não retire o projeto de lei.