Líder Assad diz que eventual intervenção militar dos EUA fracassaria na Síria

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente afirma não ter lógica a acusação de que lançou ataque químico em área onde estão as forças do governo

O presidente sírio, Bashar al-Assad, alertou os EUA de que qualquer intervenção militar americana na Síria seria um fracasso, negando que suas forças tenham usado armas químicas em uma área no leste de Damasco na semana passada.

Hoje: Franco-atiradores disparam contra comboio de inspetores da ONU

AP
Foto sem data divulgada nesta segunda pela agência oficial Sana mostra o presidente sírio, Bashar al-Assad, durante entrevista com o jornal russo Izvestia

Dia 21: Oposição síria acusa governo de matar centenas em ataque químico

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

"O fracasso espera os EUA como em todas as guerras anteriores desencadeadas por eles, começando com o Vietnã até os dias de hoje", disse Assad ao jornal pró-Kremlin Izvestia, em uma entrevista que o diário russo disse ter sido realizada em Damasco.

Após suposto ataque químico: EUA deslocam navio para possível ação na Síria

Após informações de ataque químico: EUA avaliam operação militar na Síria

Assad afirmou que as forças do governo sírio estão perto da região nos arredores de Damasco onde as forças rebeldes acusam as tropas do governo de terem matado centenas ao disparar bombas com gás venenoso. Segundo Assad, porém, atacar tal área com armas químicas não faria sentido para o governo pelo fato de não haver linhas claras entre o regime e as forças rebeldes.

MSF: Hospitais na Síria atenderam 3,6 mil pessoas com sintomas neurotóxicos

"Como o governo pode usar armas químicas, ou qualquer armamento de destruição em massa, em uma área onde suas tropas estão situadas?", indagou. "Isso não tem lógica. Isso explica por que essas acusações são póliticamente motivadas, e uma recente série de vitórias das forças do governo sobre os terroristas são a razão disso", disse Assad ao Izvestia, referindo-se aos rebeldes que lutam numa guerra civil de mais de dois anos para depô-lo.

Assista: Vídeos mostram vítimas de suposto ataque químico na Síria

Os EUA têm recebido cada vez mais apelos internacionais para tomar uma ação em resposta ao ataque com gás na Síria, lançado na quarta-feira. O presidente Barack Obama havia declarado que qualquer uso de arma química na Síria seria um limite que exigiria uma resposta firme.

Resposta: Obama fica sob pressão para agir após suposto ataque na Síria

Obama: Suposto ataque químico na Síria é 'evento de grave preocupação'

De acordo com os Médicos Sem Fronteiras, 355 morreram por fogo de artilharia das forças do regime em 21 de agosto, ataque que incluiu o uso de gás tóxico. Ativistas e líderes da oposição disseram que entre 322 e 1,3 mil teriam morrido no suposto ataque químico.

Ação militar

Washington recentemente aumentou sua presença naval no leste do Mediterrâneo, e líderes militares dos EUA, Reino Unido e seus aliados estão se reunindo na Jordânia. Mas o Conselho de Segurança da ONU continua dividido, parecendo improvável que a Rússia e a China retirem sua objeção a sanções mais duras contra o governo de Assad.

O ministro de Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse nesta segunda que os diplomatas deveriam ser cautelosos ao lidar com a questão das armas químicas, enquanto Moscou alertou o Ocidente a não prejulgar o resultado das inspeções.

Veja imagens da guerra na Síria desde o início deste ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Reação: França defende uso da força caso ataque químico na Síria seja provado

Políticos ocidentais começaram a sugerir adotar uma ação fora do sistema da ONU. O chanceler britânico, William Hague, disse à rede britânica BBC que a ação poderia ser tomada sem a aprovação do órgão se houver "uma grande necessidade humanitária" na Síria. Seu homólogo francês, Laurent Fabius, sugriu que o Conselho de Segurança poderia ser desconsiderado "em certas circunstâncias".

O chanceler turco, Ahmet Davutoglu, disse ao jornal Milliyet que mais de 30 países já discutiam como atuar na Síria se a ONU fracassasse em chegar a um acordo. Ele prometeu que a Turquia entraria em qualquer coalizão contra o regime de Assad, com ou sem o endosso da ONU.

Entenda: Saiba o que é o sarin, arma química supostamente usada na Síria

Acredita-se que as forças de segurança sírias tenham amplos estoques não declarados de gás mostrada e do agente neurológico sarin. A Síria é um dos sete países que não assinaram a convenção de 1997 banindo armas químicas.

*Com Reuters, AP e BBC

Leia tudo sobre: síriaassadmundo árabearmas químicaseuaprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas