Oposição síria acusa governo de matar centenas em ataque químico

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Regime de Bashar al-Assad nega acusação. Não há número confirmado de mortos: estimativas variam de 100 a 1,3 mil

Grupos de oposição da Síria afirmaram que centenas foram mortos nesta quarta-feira (21) em um ataque com agentes químicos lançados por foguetes do governo contra redutos rebeldes perto da capital Damasco. Não há um número confirmado de mortos no suposto ataque. Estimativas da oposição variam de 100 a mais de 1,3 mil. Não há como confirmar as informações com fontes independentes nem saber quantas das vítimas morreram pelas substâncias tóxicas ou pelos bombardeios.

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

Assista: Vídeos mostram vítimas de suposto ataque químico na Síria

AP
Imagem fornecida pelo Comitê Local de Arbeen mostra corpos de sírios enfileirados em Arbeen, Damasco

Domingo: Equipe da ONU chega à Síria para investigar armas químicas

Entenda: Saiba o que é o sarin, arma química supostamente usada na Síria

Vídeos publicados online por ativistas da oposição mostravam corpos sem vida, a maioria sem sinais de ferimentos. Não foi possível, entretanto, confirmar a veracidade das imagens. O governo Bashar al-Assad negou as alegações, caracterizando-as como "completamente sem fundamento". O Conselho de Segurança, principal órgão da ONU, realizou uma reunião de emergência nesta quarta para debater a denúncia.

Reação: ONU faz reunião de emergência sobre suposto ataque químico

Plano: ONU investigará três supostos ataques com armas químicas na Síria

Uma autoridade do governo americano afirmou à CNN que os EUA não possuem nenhuma confirmação de que armas químicas tenham sido usadas em ataques recentes na Síria. "Se for verdade, seria uma prova da brutalidade inconcebível por um homem desesperado e um regime desesperado", disse.

Ação externa: Reino Unido protegerá rebeldes de armas químicas

Governo sírio: Alegações dos EUA sobre uso de armas químicas são 'mentiras'

As acusações são feitas enquanto um grupo da ONU está no país para determinar se algum lado da sangrenta guerra civil está usando armamento químico. "Estamos cientes dos relatos e estamos tentando descobrir mais", disse o porta-voz da ONU Martin Nesirky.

O ataque aconteceu como parte de uma pesada ofensiva com bombardeios pelo governo na região de Ghouta, que possui redutos rebeldes que há mais de um ano as tropas de Assad tentam recuperar. Ativistas disseram que foguetes com agentes químicos atingiram os subúrbios de Damasco de Ain Tarma, Zamalka e Jobar durante intenso bombardeio.

Junho: EUA confirmam uso de armas químicas por forças de Assad na Síria

Consequência: Obama autoriza envio de ajuda militar a rebeldes sírios

Um homem que se identificou como um voluntário de primeiros socorros disse que ouviu um barulho diferente, semelhante ao de um foguete. Ele foi até Zamalka, o lugar mais próximo a ele que foi atingido. Durante algumas horas, sentiu perda de visão e a paralisação de seu corpo. Ele disse que se sentiu incapaz de se manter de pé e desmaiou.

AP
Imagem fornecida pelo Gabinete de Mídia da Douma mostra sírio ao lado de corpos de vítimas mortas por suposto ataque químico em Douma

Número de mortos

O diretor do Observatório para os Direitos Humanos, Rami Abdul-Rahman, citou ativistas na área afirmando que "gás venenoso" foi lançado no ataque. Ele disse ter documentado cem mortes, mas afirmou não estar claro se as vítimas morreram pelo ataque aéreo ou pelo gás tóxico.

Bayan Baker, uma enfermeira de um complexo emergencial, disse que o número de mortos, entre os recolhidos a partir de centros médicos nos subúrbios a leste de Damasco, foi de ao menos 213. "Muitas das vítimas são mulheres e crianças. Eles chegaram com pupilas dilatadas, membros frios e espuma na boca. Os médicos dizem que esses são sintomas típicos de vítimas de gás nervosos", relatou.

Armas químicas: Testes confirmam uso de sarin na Síria, diz França

Já os Comitês de Coordenação Local, rede ativista da oposição, afirmou que os gases venenosos deixaram mais de 650 mortos. Os sintomas, segundo o grupo, incluíam inconsciência, espuma na boca e no nariz, pupilas contraídas, taquicardia e dificuldade de respirar.

George Sabra, um dos principais opositores de Assad, disse que 1,3 mil teriam morrido em consequência da chuva de gás venenoso. "Não é a primeira vez que o regime usou armas químicas. Mas (os crimes de hoje) constituem um ponto de virada nas operações do regime", disse em uma coletiva em Istambul, Turquia. "Dessa vez foi mais para aniquilar do que aterrorizar."

Equipe da ONU

Uma equipe de inspetores de armas químicas da ONU aterrissou na Síria esta semana para tentar provar as alegações de que armas químicas vêm sendo usadas durante a guerra civil no país. Os inspetores deram início aos seus trabalhos na segunda-feira.

Imagens: Vídeos e depoimentos indicam uso de armas químicas na Síria

Turquia: Exames em sírios mostram sinais de uso de armas químicas

O secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, William Hague, e o presidente da França, François Hollande, pediram ao governo da Síria que permita o acesso à equipe da ONU.

Veja imagens da guerra na Síria desde o início deste ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

"Estou profundamente preocupado com os relatos de que centenas de pessoas, incluindo crianças, foram mortas em ataques aéreos e um ataque químico em um reduto rebelde próximo a Damasco", disse. "Esses relatos não estão corroborados e precisamos urgentemente de mais informações. Mas está claro que, caso sejam verificados, marcariam um aumento chocante do uso de armas químicas na Síria."

Saiba mais: Entenda métodos para identificar uso de armas químicas

Hague acrescentou que o Conselho de Segurança da ONU trataria do assunto.

Ao negar o uso de armas químicas, um porta-voz do governo disse à agência estatal Sana que os relatos são uma "tentativa de desviar a investigação da comissão da ONU do exercício de suas funções".

Depoimento: Jornalista relata suposto ataque com armas químicas na Síria

Em abril: EUA suspeitam de uso de armas químicas por Síria

A guerra civil na Síria já dura mais de dois anos e, segundo a ONU, 100 mil foram mortos no conflito e milhões foram forçados a refugiar-se dentro e fora do país. Durante a guerra, houve numerosas alegações de que o governo estaria usando armas químicas.

Em junho, os EUA disseram que Assad havia cruzado uma "linha vermelha" ao usar armas químicas, incluindo gás sarin, contra as forças rebeldes. Isso levou o governo americano a fornecer apoio militar aos combatentes da oposição.

AP
Homem e mulher velam corpos de sírios após suposta ataque com gás venenoso lançado pelas forças do regime de Assad

O governo Assad também afirma que os rebeldes usaram armas químicas, incluindo em um incidente em março em Khan al-Asal, Aleppo, segundo a mídia estatal. Opositores afirmam que os rebeldes não possuem acesso a armas químicas ou a mísseis necessários para um ataque.

A Síria é um dos poucos países que não fazem parte do tratado internacional que proíbe armas químicas, e as nações ocidentais acreditam que tenham reservas não declaradas de gás mostarda, sarin e agentes nervosos.

Com Reuters e AP

Leia tudo sobre: síriaarmas químicasdamascoonusarinassadmundo árabeprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas