Obama sinaliza que não terá pressa para agir sobre armas químicas na Síria

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente afirma que levará um tempo para chegar a julgamento conclusivo sobre uso de armamento não convencional por Síria durante conflito de dois anos

Reuters

O presidente dos EUA, Barack Obama, alertou nesta terça-feira contra a pressa no julgamento sobre o uso de armas químicas na Síria contra seu próprio povo, em um sinal de que vai adotar uma abordagem cautelosa em relação ao problema que pode levar a uma ação militar dos EUA.

Casa Branca e Hagel: EUA suspeitam de uso de armas químicas por Síria

AP
Presidente dos EUA, Barack Obama, faz pausa durante coletiva na Casa Branca, Washington

Nahum Sirotsky: EUA ficam em encruzilhada ao apontar uso de armas químicas por Síria

Em uma coletiva na Casa Branca, Obama disse que há evidências de que armas químicas foram usadas dentro da Síria, mas que não se sabe "como elas foram usadas, quando foram usadas, quem as usou". O presidente disse, também, que não há uma sequência de fatos que estabeleça o que "exatamente aconteceu".

Coletiva 1: Obama promete impulso para fechar Guantánamo; presos fazem greve de fome

Coletiva 2: Obama anuncia revisão de inteligência sobre ataque em Boston

Obama declarou que o Departamento de Defesa já preparou opções que podem estar disponíveis, que ele se recusou a especificar, para responder ao que seria claramente uma "escalada" e uma "ameaça à segurança da comunidade internacional, dos nossos aliados e dos EUA".

O presidente afirmou que vai levar um tempo para chegar a um julgamento conclusivo sobre o fato de a Síria ter cruzado ou não a "linha vermelha" dos EUA com o uso de armas químicas. Ele insistiu que "precisa ter certeza de que tem os fatos".

Vídeo: Jornalista britânico relata suposto ataque com armas químicas na Síria

Autoridades sírias: 'Não precisamos de armas químicas para vencer guerra'

Obama mantém cautela sobre lançar uma ação militar contra a Síria sem uma evidência firme, uma vez que seu antecessor, o ex-presidente George W. Bush (2001-2009), deu início a uma guerra no Iraque com base em denúncias de uso de armas de destruição em massa, o que depois ficou provado que não era verdade.

"Se nos precipitarmos em julgar sem evidências efetivas e firmes, então podemos nos colocar numa posição em que não poderemos mobilizar a comunidade internacional para apoiar o que fizermos", disse.

Sarin: Israel acusa governo Assad de usar armas químicas contra rebeldes sírios

O governo do presidente sírio, Bashar al-Assad, nega o uso de armas químicas nos dois anos de guerra civil que deixou mais de 70 mil mortos.

Leia tudo sobre: síriaassadarmas químicaseuaobamaprimavera árabemundo árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas