Assad segue em Damasco após atentado, assegura fonte oficial

Oposição, porém, diz que presidente da Síria foi para cidade litorânea de Latakia após ataque que matou integrantes de alto escalão do governo

iG São Paulo | - Atualizada às

Uma autoridade do governo da Síria afirmou nesta quinta-feira que o presidente Bashar Al-Assad continua em Damasco, mesmo após um ataque que matou integrantes de alto escalão de seu governo. A oposição, porém, afirmou que Assad deixou a capital e foi para a cidade litorânea de Latakia.

De acordo com a autoridade, que não quis ser identificada e foi ouvida pela agência EFE e pelo diário libanês As Safir, o presidente foi a seu escritório em Damasco normalmente nessa quinta-feira.

Leia também:  Ataque mata ministro da Defesa e cunhado de Assad na Síria

Assad, sua mulher e seus três filhos não apareceram em público desde o ousado ataque de quarta-feira que matou seu cunhado e duas outras importantes figuras da Defesa em Damasco.

Uma autoridade da oposição que não quis ser identificada disse que Assad comanda a resposta do governo sírio a partir de Latakia, mas não soube informar se o presidente deixou Damasco antes ou depois do ataque de quarta-feira.

"Nossa informação é que ele está em seu palácio em Latakia e que ele pode estar lá há alguns dias", disse a autoridade.

O palácio, que já foi usado no passado por Assad para realizar reuniões oficiais, está localizado em montanhas perto da cidade, onde fica o principal porto da Síria. Várias cidades na província de Latakia são habitadas por membros da seita alauíta, de Assad, que é minoria no país.

As forças do regime sírio intensificaram suas operações um dia após o ataque, que matou o ministro da Defesa, o general Dawoud Rajiha; o vice-ministro deste departamento e cunhado de Assad, o general Assef Shawkat; e o assistente presidencial Hassan Turkmani.

Trata-se do maior ataque contra o regime pelos rebeldes do Exército Livre Sírio (ELS), que reivindicaram o atentado, desde o início das revoltas na Síria, em março de 2011.

Com EFE e Reuters

    Leia tudo sobre: assadsíriaprimavera árabe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG