Conselho tira da internet iniciais de juízes investigados

Conselho Nacional de Justiça tinha divulgado iniciais de magistrados sob suspeita. Associação pediu para tirar, e órgão acatou

Agência Brasil |

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Cezar Peluso, determinou hoje (21) que o conselho retire da internet as iniciais de nomes de juízes que estão sendo investigados. A divulgação dos processos começou no início de novembro e foi amplamente divulgada por Peluso como forma de dar mais transparência ao trabalho das corregedorias na apuração de processos contra magistrados.

Dilvulgação
o presidente do CNJ, Cezar Peluso, que também preside o Supremo Tribunal Federal (STF)
Entenda o caso: Sem divulgar nomes, conselho mostra processos contra juízes

A negativa: Não existe juiz ladrão no Brasil, diz presidente de associação

A ameaça: 'Órgãos de controle do Judiciário podem virar decorativos'

A suspensão da publicação das iniciais foi em resposta a um pedido da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), que entendeu que a abreviação dos nomes constrangiam os investigados, uma vez que, em alguns casos, eles podiam ser facilmente identificados. A entidade é a mesma que questiona no STF os poderes de investigação do CNJ.

A decisão de publicar os processos envolvendo juízes no site do CNJ surgiu justamente após a polêmica provocada por uma série de eventos relacionados à ação da AMB para limitar a atuação do CNJ. Na véspera do julgamento do caso no STF, a corregedora-geral da Justiça, ministra Eliana Calmon, disse que a redução do poder correicional do CNJ permitiria que "bandidos se escondam atrás da toga".

A declaração da corregedora provocou uma série de debates sobre o papel do CNJ e a ineficiência das corregedorias locais em punir juízes devido à proximidade com os investigados. Na época, Peluso defendeu que o correto é que as corregedorias locais funcionem antes dos processos irem para o CNJ.

A publicação dos cerca de 1.300 processos contra os juízes foi uma das medidas adotadas por Peluso para impulsionar o trabalho das corregedorias locais e permitir a fiscalização da sociedade.

    Leia tudo sobre: cnjconselho nacioanl de justiça

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG