Projeto que derruba pedágio das aposentadorias passou na Câmara; Congresso derrubará eventual veto, diz parlamentar

Agência Brasil

Vanessa: Congresso 'possivelmente' derrubaria eventual veto de Dilma à extinção do fator
Agência Senado
Vanessa: Congresso 'possivelmente' derrubaria eventual veto de Dilma à extinção do fator

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) acredita que o fim da fator previdenciário será aprovado também no Senado Federal, da mesma forma que foi na Câmara dos Deputados. Ela participa de café da manhã com o ministro da Fazenda Joaquim Levy para discutir o pacto federativo e as medidas de ajuste fiscal que estão em andamento no Congresso Nacional. Segundo ela, existem assuntos já “extratificados” , mas outros são necessários uma debate maior.

Leia também:

- Câmara aprova alternativa ao fator previdenciário

- Resquício da era FHC, fator previdenciário volta ao debate

- Poupança, FGTS e desaposentação podem criar esqueletos de R$ 422 bilhões

“Por exemplo, o fator previdenciário que era algo que nem se trabalhava é agora um componente novo no debate e acaba chegando como um dos assuntos mais importantes. Então, o que a gente precisa fazer? O clima hoje no Senado é manter a votação da Câmara mesmo porque nós aprovamos projetos anteriores nesse sentido do senador Paulo Paim (PT-RS), derrubando o fator”, disse.

Para ela, o necessário é discutir alternativas já que trata-se de um disputa cujo o “vencedor é conhecido”. A senadora disse que a expectativa é que o Senado aprove, a presidenta Dilma vete e o Congresso “possivelmente” derrube o veto.

“A gente precisa ajudar o governo e também os trabalhadores a encontrar uma fórmula ideal com o fim do fator previdenciário”. O fator foi criado pelo governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) e tem que acabar, disse a senadora.

Ministro da Previdência fala sobre mudanças no fator previdenciário; assista

Vanessa Grazziotin disse que não tem certeza se o prejuízo para os cofres da União são os apresentados pelo governo, de R$ 40 bilhões em dez anos. Segundo ela, é preciso ver os cálculos porque não acredita que o impacto seja tão forte como a equipe econômica tem argumentado.

Pela emenda aprovada, fica valendo a chamada regra do 85/95. Ela estabelece que o trabalhador receberá seus proventos integrais quando, no cálculo da aposentadoria, a soma da idade com o tempo de contribuição for 85 para mulher, 95 para homem, 80 para professora e 90 para professor.

Aprovado em 1999,  o fator previdenciário visa postergar as aposentadorias pelo Regime Geral da Previdência. Pela regra do fator, o tempo mínimo de contribuição para aposentadoria é 35 anos para homens e 30 para mulheres, o valor do benefício é reduzido para quem se aposenta por tempo de contribuição antes de atingir 65 anos, no caso de homens, ou 60 anos, de mulheres.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.