Presidente manteve 13 ministros no cargo e anunciou o nome do atual embaixador do Brasil em Washington, Mauro Vieira, para o Itamaraty

A presidente Dilma Rousseff confirmou o nome do embaixador Mauro Luiz Iecker Vieira para o comando do Ministério de Relações Exteriores. Ele é embaixador do Brasil em Washington (EUA) substituirá Luiz Alberto Figueiredo Machado, no Itamaraty. Figueiredo, por sua vez, assumirá a embaixada brasileira nos EUA.

Analistas avaliam novos ministros como garantia de governabilidade para Dilma

Dilma confirma Juca Ferreira no Ministério da Cultura

Confira a lista:

- Advocacia-Geral da União: Luís Inácio Adams
- Assuntos Estratégicos: Marcelo Néri
- Casa Civil: Aloizio Mercadante
- Comunicação Social: Thomas Traumann
- Desenvolvimento Social: Tereza Campello
- Direitos Humanos: Ideli Salvatti
- Gabinete de Segurança Institucional: José Elito Siqueira
- Justiça: José Eduardo Cardozo
- Meio Ambiente: Izabela Teixeira
- Micro e Pequena Empresa: Guilherme Afif Domingos
- Políticas para Mulheres: Eleonora Menicucci
- Relações Exteriores: Mauro Vieira
- Saúde: Arthur Chioro
- Trabalho: Manoel Dias

Todos os ministros tomarão posse no dia 1º de janeiro.

A presidente Dilma Rousseff durante conferência em Brasília (15/12)
CHARLES SHOLL/FUTURA PRESS
A presidente Dilma Rousseff durante conferência em Brasília (15/12)


Com o anúncio, Dilma concluiu os nomes de sua nova equipe de ministros. Ela já havia confirmado os nomes do ex-senador Antônio Carlos Rodrigues (PR-SP) como novo ministro dos Transportes. O atual ministro das Cidades, Gilberto Occhi (PP) passará a responder pelo Ministério da Integração Nacional.

Dilma anunciou o petista Patrus Ananias (MG) para o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). O atual ministro do MDA, Miguel Rossetto foi confirmado na Secretaria Geral da Presidência da República. O deputado federal Pepe Vargas (PT-RS), que comandou o MDA durante o primeiro mandato de Dilma, passará a ocupar a Secretaria de Relações Institucionais (SRI).

O chefe da SRI, Ricardo Berzoini (PT-SP), passará a comandar o Ministério das Comunicações e Carlos Eduardo Gabas (PT-SP), atual secretário executivo do Ministério da Previdência, passará a responder pela pasta.

Os primeiros oficializados formam a nova equipe econômica. Dilma escolheu para o Ministério da Fazenda, o economista Joaquim Levy, para o Planejamento, Nelson Machado, manteve no comando do Banco Central, Alexandre Tombini.

A presidente transferiu o atual ministro dos Esportes, Aldo Rebelo (PCdoB-SP) para a pasta de Ciência,Tecnologia e Inovação. No lugar de Aldo, Dilma anunciou o nome do mineiro George Hilton (PRB).

Veja também: Dilma anuncia mais sete ministros

Ao menos três novos ministros de Dilma respondem a processos, diz jornal

Para o Desenvolvimento, a presidente confirmou o nome do senador Armando Monteiro (PTB-PE). A pasta da Educação, Dilma deu para o atual governador do Ceará, Cid Gomes, aliado importante no Nordeste durante a campanha.

A Secretaria dos Portes será comandada pelo peemedebista Edinho Araújo (SP). O senador Eduardo Braga (PMDB-AM) também foi confirmado como novo ministro de Minas e Energia. O deputado federal Eliseu Padilha será o responsável pela Secretaria de Aviação Civil (SAC).

O PMDB também comandará a Secretaria de Aquicultura e Pesca, que será gerida pelo peemedebista Helder Barbalho. O PMDB também continuará a frente da Agricultura, com a senadora Kátia Abreu (TO). O maior partido aliado também ficará no comando do Ministério do Turismo, Vinicius Lages (AL).

O governador da Bahia, Jaques Wagner comandará o Ministério da Defesa. Dilma ainda trocou o comando da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Sepir), que será gerida por Nilma Lino Gomes. Com a saída de Jorge Hage da Controladora Geral da União, Dilma indicou para o cargo Valdir Simão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.