Ministro de Minas e Energia e presidente da Petrobras serão convidados para esclarecer a compra pela estatal da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, em 2006

A Comissão de Meio Ambiente e Fiscalização e Controle do Senado aprovou nesta terça-feira (25) o convite para o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, e a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster esclarecer a compra pela Petrobras da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, em 2006. O negócio pode ter causado um prejuízo de cerca de US$ 1 bilhão à empresa. Por se tratar de um convite, as autoridades não são obrigadas a comparecer.

O caso: TCU deve concluir em abril análise da compra de refinaria pela Petrobras

Coluna: PT admite a possibilidade de CPI sobre a compra da refinaria de Pasadena

Lobão também será questionado sobre a situação do sistema elétrico e o risco de racionamento de energia. O debate poderá ser conjunto com a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), que deve aprovar requerimento semelhante.

O convite ao ministro para discutir o setor elétrico já estava na pauta da CMA e, em acordo com líderes da base de apoio ao governo, foi ampliado para que Lobão possa tratar do caso da compra da refinaria. Também por entendimento foi incluído requerimento para chamar a presidente da Petrobras.

Os senadores querem saber por que a Petrobrás pagou valor 30 vezes maior que o montante pago pela empresa belga Astra Oil para adquirir a mesma refinaria, um ano antes. Querem também explicações sobre declarações da presidente Dilma Rousseff de que "parecer falho" teria embasado a compra da refinaria.

Sobre os problemas no setor elétrico, Randolfe quer saber a opinião do ministro sobre relatório da consultoria PSR, que aponta a probabilidade de o Brasil ter de decretar racionamento este ano, e esclarecimentos sobre notícias de problemas na Eletrobrás.

Outros convidados

Dois outros requerimentos, convidando Sérgio Gabrielli, presidente da Petrobras à época da compra da refinaria no Texas, e o ex-diretor da área internacional da estatal Nelson Cerveró, apontado como o responsável pelo “parecer falho” que teria orientado o negócio, foram lidos na reunião desta terça-feira e devem ser votados na próxima semana.

* Com Agência Câmara

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.