Barbosa diz que Executivo domina o Congresso e irrita Alves

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Para presidente da Câmara, declaração do presidente do STF foi ‘desrespeitosa’ e ‘não contribui para a harmonia constitucional’

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, criticou nesta segunda-feira (20) o Congresso e provocou a irritação do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Durante palestras a estudantes do curso de direito de uma faculdade de Brasília, Barbosa disse que o Executivo domina o Congresso.

Leia mais:

Brincadeira de Barbosa causa desconforto entre advogados

Barbosa manda repórter ‘chafurdar no lixo’ e depois pede desculpas

Barbosa diz que juízes são 'pró-impunidade' e magistrados reagem

OAB chama de 'ofensivas' as críticas de Barbosa sobre novos tribunais

“O Congresso é inteiramente dominado pelo Poder Executivo. As lideranças [governistas] fazem com que a deliberação prioritária seja sobre matérias de interesse do Executivo. Poucas leis são de iniciativa dos próprios parlamentares”, disse o ministro.

Em resposta, Alves defendeu o Congresso e disse que a declaração do presidente do STF foi “desrespeitosa”. "Uma desrespeitosa declaração como essa não contribui para a harmonia constitucional que temos o dever supremo de observar. E, com a responsabilidade e maturidade que tenho, não quero nem devo tensionar o relacionamento entre os poderes", disse Alves

A possível indisposição entre os dois Poderes começou recentemente, depois que parlamentares recorreram ao Supremo para suspender apreciações de projetos no Congresso e foi agravada com a proposta de emenda à Constituição que vincula decisões da Corte ao Legislativo.

Apesar de não comentar o episódio, Barbosa destacou que todo mecanismo de controle que o Supremo exerce ao examinar a constitucionalidade das leis está previsto na Constituição. “A maneira como o Poder Judiciário exerce o controle recíproco é através da jurisdição constitucional. Se o Congresso aprova norma abusiva, o Supremo declara sua inconstitucionalidade”, explicou. "Permitir que isso [a decisão] seja submetido ao Congresso e a referendo significaria o fim da Constituição”, disse Barbosa. Ele destacou que o Judiciário não tem a atribuição de legislar, mas decidir sobre o que é colocado à mesa para avaliação da Corte.

O presidente do Supremo afirmou que distorções no modelo político brasileiro reforçam a necessidade de uma reforma institucional urgente. Para ele, as mudanças no processo político devem envolver, por exemplo, a substituição do voto obrigatório pelo voto facultativo e alterar o sistema de voto proporcional pelo sistema de voto distrital.

Com Agência Brasil e Agência Estado

Leia tudo sobre: congressostfjoaquim barbosahenrique eduardo alves

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas