Jefferson diz receber condenação com 'serenidade': 'Sou vítima de mim mesmo'

Em texto publicado em seu blog, ex-deputado federal pelo PTB rejeitou a tese de que vendeu apoio de seu partido ao governo Lula, mas afirma que não tem 'nada a reclamar' do STF

Reuters |

Reuters

Agência Brasil
Delator do mensalão, o ex-deputado Roberto Jefferson recebeu condenação com 'serenidade'

O ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção passiva por envolvimento no mensalão, disse nesta sexta-feira (29) ser vítima de si mesmo e rejeitou a tese de que teria vendido o apoio de seu partido ao PT.

Leia mais: Lula cita mensalão em campanha e diz que caso não é vergonha

Leia também: Veredito sobre núcleo do PT no mensalão fica para depois das eleições

Jefferson é acusado de ter recebido R$ 4 milhões do suposto esquema, denunciado por ele em entrevista em 2005. Esse valor seria parte dos R$ 20 milhões acertados em troca de apoio político do PTB ao governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Congresso. Ele admitiu que recebeu o dinheiro, mas disse que se tratava de acordos de campanha eleitoral.

O ex-parlamentar, de 59 anos, foi condenado pela maioria da Corte na quinta-feira (28) pelo crime de corrupção passiva e está a um voto da condenação por lavagem de dinheiro.

Saiba mais: Condenado por maioria do STF, Jefferson se afasta da presidência do PTB

Julgamento: Maioria do STF condena Jefferson e Costa Neto por corrupção

"Embora não concorde com as imputações, recebo com serenidade a decisão dos ministros. E reafirmo: não vendi o meu partido ao PT nem me apropriei para fins pessoais de nem um centavo sequer do dinheiro que a mim chegou para financiar campanhas eleitorais", postou Jefferson em seu blog na Internet.

"Muito menos sou delator, alcunha com que tentam à força me marcar. Não sou vítima de ninguém, a não ser de mim mesmo. Nada a reclamar. "Dura lex, sed lex" ("a lei dura, porém a lei")", disse.

Especial iG: Leia todas as notícias sobre o julgamento do mensalão

O valor teria sido negociado com o então ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) como "chefe da quadrilha" responsável pelo suposto esquema. Jefferson teve o mandato de deputado cassado por conta da denúncia.

O advogado de Jefferson, Luiz Francisco Corrêa Barbosa, rejeitou a condenação do réu, dizendo que os ministros "partiram do equívoco do relator, que misturou datas e fatos".

Corrêa Barbosa disse, ainda, que a eventual condenação por lavagem de dinheiro "não é correta", já que a acusação parte da declaração do próprio Jefferson. "Isso veio à tona porque ele disse."

Jefferson anunciou na quinta-feira que se licenciará da presidência do PTB por 180 dias para tratamento de saúde. Ele submeteu-se a uma cirurgia em agosto para a retirada de um tumor maligno no pâncreas.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG