Encontro entre Vladimir Putin e Petro Poroshenko ocorre após Kiev anunciar a captura; presidente ucraniano antecipa eleições

BBC

O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, e da Rússia, Vladimir Putin, protagonizam nesta terça-feira (26) um aguardado encontro, em meio a crescentes tensões entre os dois países por causa da ação militar ucraniana contra separatistas pró-Rússia.

Ontem: Presidente da Ucrânia dissolve Parlamento e convoca eleições

Putin e Poroshenko se reuniram pela última vez em junho
Getty Images
Putin e Poroshenko se reuniram pela última vez em junho


Ajuda humanitária: Rússia pretende enviar mais um comboio ao leste ucraniano

As conversas deverão ocorrer durante cúpula da União Eurasiática, em Minsk, na Bielorrússia, onde o presidente ucraniano já desembarcou. Não está claro se os presidentes se reunirão separadamente. Ambos se encontraram rapidamente pela última vez em junho.

O encontro ocorre horas após Poroshenko ter dissolvido o Parlamento e anunciado eleições antecipadas para 26 de outubro.

Em discurso transmitido pela televisão, ele disse que muitos parlamentares eram partidários do presidente ucraniano deposto, Viktor Yanukovych, que estariam se opondo a reformas.

Yanukovych defendia uma aproximação maior da Ucrânia com a Rússia - e menor com o Ocidente -, assim como os separatistas que atualmente enfrentam o governo de Kiev.

Confrontos entre tropas ucranianas e separatistas já mataram mais de 2 mil pessoas nas regiões de Donetsk e Luhansk, no leste ucraniano, onde é significativa a presença de cidadãos de origem étnica russa.

As duas regiões declararam independência de Kiev após a Rússia ter anexado, em março, a península da Crimeia, até então parte do território ucraniano.

Dia 23: Caminhões de comboio russo não autorizado começam a sair da Ucrânia

Mais de 330 mil pessoas foram deslocadas na região. O Exército ucraniano lançou uma operação para retomar o leste do país, que foi intensificada em junho.

'Não venham com expectativas'

Os rumos do conflito podem ser definitivos para o desempenho dos aliados de Poroshenko nas urnas, disse o correspondente da BBC em Kiev, David Stern. Segundo o repórter, o presidente ucraniano pode ser "punido nas urnas" caso não consiga encerrar os confrontos até o voto de outubro.

Dia 22: Ucrânia acusa Rússia de invasão após comboio de ajuda humanitária entrar no país

Muitos ucranianos também estão descontentes com o fracasso do governo em introduzir reformas e lutar contra a corrupção, acrescentou o correspondente.

O encontro entre Poroshenko e Putin será observado de perto por autoridades da União Europeia - bloco que, junto com os Estados Unidos, impôs sanções contra a Rússia pelo fracasso de Moscou em impedir a ação de separatistas.

O chanceler russo, Sergei Lavrov, disse que o Ocidente não deveria colocar todo o ônus de encontrar uma solução para o conflito sobre os ombros de Moscou.

"Espero muito que nossos colegas ocidentais... não venham apenas com expectativas que iremos de alguma forma mágica resolver as coisas para eles. Isso não vai funcionar", disse ele em entrevista coletiva.

A Ucrânia e o Ocidente acusam a Rússia de armar rebeldes separatistas, acusação negada por Moscou.

O governo russo, por sua vez, diz que a campanha militar da Ucrânia no leste do país está causando uma crise humanitária.

Dia 21: Comboio russo de ajuda humanitária atravessa posto de fronteira rumo à Ucrânia

Comboio russo

A Ucrânia disse na segunda que tropas do país capturaram dez militares russos perto do vilarejo de Dzerkalne, a cerca de 50km da cidade de Donetsk, controlada por rebeldes.

"Soldados russos foram detidos com documentos pessoais e armas", disse um comunicado. "Investigadores abriram um inquérito para apurar a entrada ilegal de cidadãos russos armados."

Na segunda-feira, o Exército ucraniano disse que um comboio de dez tanques e dois veículos blindados vindo da Rússia cruzou a fronteira e se dirigia a cidade de Mariupol, no sudeste. Dois tanques foram destruídos por forças ucranianas, obstruindo as vias na área, disse o Exército.

A cidade de Mariupol, um importante porto no mar de Azov, está nas mãos das forças do governo da Ucrânia, que expulsaram rebeldes em junho, após semanas de enfrentamentos. Fortes confrontos também foram registrados na região de Donetsk.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.