Dilma conversa com Obama e anuncia amanhã decisão sobre viagem aos EUA

Por Luciana Lima - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

A presidente cobrou novamente respostas do presidente norte-americano e deu um prazo até amanhã para decidir se vai a Washington em outubro

Antes de decidir se irá atender ao convite do governo dos Estados Unidos para uma visita de Estado, a presidente Dilma Rousseff conversou nesta segunda-feira (16), por 20 minutos, pelo telefone, com o presidente norte-americano, Barack Obama.

Leia mais: Espionagem atrapalha lobby dos EUA para venda de caças

Após denúncias: Obama diz que trabalhará com Dilma para aliviar tensões

Dilma falou sobre as respostas, consideradas insuficientes pelo governo brasileiro, e voltou a pedir explicações sobre as denúncias de espionagem que atingiram, inclusive, seus contatos pessoais.

Wilson Dias/ABr
Dilma voltou a pedir explicações sobre as denúncias de espionagem

Só amanhã, de acordo com o Planalto, a presidente anunciará se fará a visita à Washington que estava sendo programada para o dia 23 de outubro.

A conversa ocorreu na presença do ministro de Relações Exteriores, Luiz Alberto Machado Figueiredo. De acordo com o porta-voz, Thomas Traumann, a ligação foi feita por Obama.

Essa é a segunda vez que os dois conversam sobre o assunto. Há duas semanas, ao se reunirem em São Pertersburgo, na Rússia, a presidente disse a Obama que a viagem só ocorreria se houvesse “condições políticas”. Segundo a presidente, essas condições dependeriam de seu total conhecimento sobre tudo que foi monitorado.

Dilma em nota: Suposta espionagem dos EUA tem motivação econômica

Denúncias: Após Dilma, Petrobras teria sido alvo de espionagem dos EUA

A presidente disse ao norte-americano que não admitia ser surpreendida por algum veículo ou relatório sobre as investigações e por isso queria ter o conhecimento sobre tudo que foi espionado.

Brasil: Leia todas as notícias sobre a espionagem no País

A resposta do governo dos Estados Unidos, no entanto, foi protocolar e considerada insuficiente pelo governo brasileiro.

Ao se referir às denúncias de espionagem americana sobre a Petrobras, caso que ela mesma já havia citado na entrevista concedida na Rússia, a presidente considerou que as denúncias evidenciam interesses econômicos e estratégicos da espionagem dos Estados Unidos e não somente a segurança nacional e o combate ao terrorismo.

Leia tudo sobre: espionagem eua brasildilma rousseffobama

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas