Família real da Espanha promete mais transparência após escândalos

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Realeza concordou em ser incluída na nova legislação de transparência do país em meio a casos de corrupção que prejudicaram sua imagem perante os cidadãos

Reuters

A família real espanhola concordou em ser incluída na nova legislação de transparência do país, dando ao público um potencial acesso sem precedentes a informações sobre seus gastos e atividades, disse uma fonte do palácio nesta sexta-feira (5).

Escândalo: Filha do rei da Espanha enfrenta suspeitas em inquérito de corrupção

BBC Brasil
Iñaki Urdangarín e Cristina de Borbón, filha caçula do monarca espanhol, em foto sem data

Em 2011: Genro de rei da Espanha é acusado de fraude e corrupção

A fonte, que falou à Reuters sob condição de anonimato, disse que representantes da família real vêm negociando há dois meses com o governo sobre como aumentar a fiscalização de suas atividades.

O movimento ocorre num momento em que a realeza, antes bastante popular, se vê envolvida em um escândalo de corrupção que tem danificado sua imagem pública, e com cidadãos espanhóis enfrentando uma profunda crise econômica.

Leia mais: Suposta amante do rei espanhol recebia para beneficiar empresas no exterior

Na quarta-feira, um juiz convocou a filha caçula do rei Juan Carlos, a princesa Cristina, a depor em 27 de abril por suposto envolvimento em caso de corrupção, pelo qual seu marido, Iñakí Urgandarín, é acusado. Urgandarín é acusado de desvio de 6 milhões de euros do dinheiro público.

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, cujo Partido Popular de centro-direita também está envolvido em uma série de escândalos de corrupção, enviou ao Parlamento um novo projeto de lei de transparência, atualmente em debate.

O projeto de lei, bem como outras resoluções enviadas por Rajoy ao Parlamento, propõe uma regulamentação mais rigorosa de declarações de impostos, patrimônio e de atividades de funcionários públicos, prevê regras para atividades de lobby, punições mais severas para a corrupção e auditorias mais completas em fundações, sindicatos e câmaras empresariais que recebem financiamento público.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas