Papa deve respeitar 'opções diferenciadas das pessoas', diz Dilma

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Em Roma, presidente disse que a escolha de um papa latino-americano é uma 'honra' e uma 'afirmação da região'

BBC

A presidente Dilma Rousseff elogiou nesta segunda-feira (18) em Roma a aproximação da Igreja Católica dos pobres defendida pelo papa Francisco, mas lembrou que "opções diferenciadas das pessoas" devem ser compreendidas.

"Eu acho que ele tem um papel a cumprir. (O discurso sobre a aproximação da Igreja aos pobres) É uma postura importante. É claro que o mundo pede, hoje, além disso, que as pessoas sejam compreendidas e que as opções diferenciadas das pessoas sejam compreendidas", disse ela, após ser cercada pela imprensa na Scuderia Del Quirinale, museu onde foi ver uma exposição dedicada ao pintor renascentista Ticiano.

A presidente não deixou claro a que "opções diferenciadas" ela se referia.

Leia mais: 
Dilma irá ao Vaticano para missa de entronização do papa Francisco
Papa Francisco celebra missa com cardeais na Capela Sistina

Questionada pela BBC Brasil se a eleição de um papa latino-americano poderá ter impacto na discussão, no Brasil, de temas como a Lei do Aborto e o casamento entre pessoas do mesmo sexo, ela respondeu que "não parece que (Francisco) seja um tipo de papa que vá defender esta posição". Antes de ser papa, o cardeal Jorge Bergoglio tinha se manifestado contra o aborto e o casamento de pessoas do mesmo sexo.

Roberto Stuckert Filho/PR
A presidente Dilma Rousseff desembarca em Roma, no domingo (17), para assistir a missa de entronização do papa Francisco

A presidente se disse feliz pela eleição de um papa latino-americano, mas afirmou não saber qual será o impacto político de Francisco para a região. "Em qualquer hipótese, um papa latino-americano é uma honra para a América Latina. Acho que é uma afirmação da região".

Dilma lembrou também que a Igreja brasileira foi "extremamente combativa contra a ditadura". Ela recordou a atuação de padres dominicanos na defesa de direitos humanos no período em ela militou contra o regime militar no Brasil.

Perfil: Saiba quem é Francisco, primeiro papa latino-americano

Amante das artes Dilma saiu cedo nesta segunda-feira do hotel onde está hospedada em Roma por uma porta lateral, sem falar com a imprensa. Depois de descobrir que ela tinha ido à exposição de Ticiano, os jornalistas entraram na mostra como visitantes e a abordaram no fim do passeio. Dilma reclamou do assédio, mas ao fim falou com os jornalistas - e confirmou a ida para o Brasil da exposição do pintor renascentista Lorenzo Lotto.

Do apartamento papal, benção de Francisco teve momentos descontraídos. Foto: ReutersMuitos argentinos prestigiaram o o papa Francisco na Praça de São Pedro. Foto: ReutersPapa falou da importância da misericórdia para milhares de fiéis que foram até a Praça de São Pedro. Foto: APPapa Francisco abençoa fiéis da janela do apartamento papal. Foto: APFiéis lotaram a Praça de São Pedro para acompanhar o Ângelus. Foto: APPapa cumprimentou fiéis no Vaticano. Foto: Reuters

A presidente deve aproveitar a presença de chefes de Estado em Roma e manter contatos bilaterais com alguns governantes, embora não tenha citado nomes. O encontro com o papa Francisco deverá ocorrer durante os cumprimentos após a missa de posse de novo pontífice, nesta terça-feira. O papa Francisco deverá conversar com a presidente sobre a Jornada Mundial da Juventude, em julho, no Rio de Janeiro. Francisco já confirmou presença no evento e o Vaticano informou que o papa fala português.

Leia tudo sobre: vaticanoRomaDilmaconclavePapa Francisco

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas