Ex-integrante da banda Charlie Brown Jr., Champignon é encontrado morto em SP

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Seis meses após a morte de Chorão, corpo do músico é achado com um tiro na cabeça e polícia registra o caso como suicídio; relembre trajetória

O músico Champignon, ex-baixista do Charlie Brown Jr. e vocalista do grupo A Banca, foi encontrado morto com um tiro na cabeça em seu apartamento no Morumbi, zona sul de São Paulo, na madrugada desta segunda-feira (9). A polícia registrou o caso como suicídio.

A morte acontece seis meses após Chorão, vocalista do Charlie Brown Jr., ter sido encontrado morto em São Paulo. Ele sofreu overdose de cocaína. O corpo de Champignon será velado e enterrado em Santos, cidade do litoral paulista onde nasceu, no mesmo cemitério em que Chorão foi sepultado.

Leia também: Polícia registra morte de Champignon como suicídio

Champignon é encontrado morto seis meses após o falecimento de Chorão. Foto: Futura PressImagem de arquivo mostra Champignon durante homenagem a Chorão. Foto: Carlos Junior/Futura PressPeritos carregam corpo de Champignon para análise no IML
. Foto: Futura PressIrmã de Champignon chega acompanhada ao IML (Instituto Médico Legal)
. Foto: Futura PressPolícia chega ao local, no Morumbi, zona sul de São Paulo. Foto: Futura PressChampignon posa ao lado de Chorão . Foto: DivulgaçãoChampignon se apresenta no programa de Serginho Groisman . Foto: Globo/ Reinaldo MarquesChampignon com Serginho Groisman e Marcelo D2. Foto: Globo/ Reinaldo MarquesChampignon apresenta formação do grupo A Banca em abril de 2013. Foto: Globo/ Reinaldo MarquesChapignon apresenta formação do grupo A Banca em abril de 2013. Foto: Globo/ Reinaldo MarquesBanda A Banca, formada pelos integrantes do Charlie Brown Jr. depois da morte de Chorão. Foto: Divulgação

De acordo com a delegada Milena Suegama, do 89º Distrito Policial, o corpo foi encontrado com um tiro na lateral direita da cabeça, e não na boca, como divulgado inicialmente. Um primeiro tiro foi disparado no chão, "como que para testar a arma", disse a delegada.

Na noite de domingo (8), Champignon jantou com a mulher, Cláudia Campos, grávida de cinco meses, e um casal de amigos (o músico já era pai de uma menina de cinco anos). Campos contou à polícia que os dois tiveram uma discussão no restaurante, mas não revelou sinais de agressão física e disse que o músico "era muito carinhoso".

O síndico do prédio, Gino Castro, afirmou que o casal chegou de carro e subiu até o apartamento no 10º andar de elevador. As imagens da câmera de segurança, já entregues à polícia, mostraram que eles aparentemente não conversavam.

O síndico chegou a mencionar à imprensa que Champignon fizera um gesto de "já chega", passando a mão no pescoço. Depois, negou a informação e disse que os dois "subiram tranquilos para casa".

"Eles nunca deram nenhum problema", disse Castro. "Eram supertranquilos e muitos solidários com a molecada."

Mulher de Champignon deixa hospital; veja abaixo

Mais sobre a morte de Champignon:
Ainda em luto por Chorão, fãs prestam homenagem
Disco inédito do Charlie Brown Jr. sairá neste mês
Mulher de Champignon está grávida de 5 meses
"Perdi mais um irmão, diz Junior Lima; veja repercussão
Fotos: Relembre a trajetória de Champignon
Corpo será enterrado no mesmo cemitério que o de Chorão

Quando chegou em casa, Champignon se isolou no quarto em que guardava instrumentos, sem trancar a porta. Quando ouviu barulho de tiro, por volta das 0h20, Campos tentou entrar no local, mas não conseguiu porque o corpo impedia a abertura da porta.

Segundo o relato de Campos, ela saiu gritando e encontrou o vizinho Alexandre Benaion, que ouvira o barulho e já seguia em direção ao apartamento. Benaion chamou a polícia, que atendeu a ocorrência.

Autoridades encontraram a arma nas mãos de Champignon. Não havia drogas, tranquilizantes ou antidepressivos no apartamento, que estava arrumado.

Em choque, Campos foi levada ao hospital, mas já recebeu alta. O bebê, segundo ultrassom, passa bem. À polícia, ela afirmou que o músico andava "muito preocupado" com as críticas que saíam na imprensa sobre A Banca, grupo que formou com os remanescentes do Charlie Brown Jr. após a morte de Chorão.

Reprodução/Facebook
Show do grupo A Banca em São Vicente (agosto/2013)

Fãs prestaram homenagens em frente ao apartamento de Champignon e ao Instituto Médio Legal, para onde o corpo foi levado. "Nunca vi A Banca e nem vou ver", afirmou Thiago Souza, 27 anos, que foi ao IML ainda durante a madrugada. "Ainda não engoli a morte do Chorão."

Vários artistas lamentaram a morte nas redes sociais. Junior Lima, que tocou com Champignon na banda Nove Mil Anjos disse ter "perdido mais um irmão" (outro integrante do grupo, Peu Sousa, cometeu suicídio em maio). Dinho Ouro Preto disse que o músico "tinha muita coisa pela frente.

Um disco inédito do Charlie Brown Jr., "La Familia 013", será lançado neste mês com a participação tanto de Chorão quanto de Champignon.

Em sua página no Facebook, Champignon escreveu a última mensagem em 7 de setembro. Dizia:

"Galera, gostaria de agradecer mais uma vez a todos que estão apoiando a gente, estamos em momento de composição do primeiro disco d'A BANCA e por isso nossa tour CHORÃO ETERNO está chegando ao fim. Dia 3 de outubro iremos fazer um dos últimos shows da turnê no ESPAÇO DAS AMERICAS em São Paulo. INFELIZMENTE não estará presente todos os artistas amigos que fizeram parte da nossa historia, pelo fato de ser um evento da JOVEM PAN em que só estarão presentes os artistas que estão na programação da rádio. Estamos felizes em saber que o público está com a gente assim como as rádios JOVEM PAN, MIX, 89 ROCK, METROPOLITANA, KISS FM, TRANSAMERICA, RADIO ATLANTIDA, RADIO DIFUSORA, RADIO CIDADE E TODAS AS RADIOS QUE SEMPRE NOS FORTALECERAM DE TODO O BRASIL, assim como as emissoras TV GLOBO E TODAS AS SUAS AFILIADAS, MULTISHOW, BAND, SBT E TODAS AS EMISSORAS que sempre nos engrandeceram E A TODOS OS FÃS.
CHARLIE BROWN JR, e agora A BANCA agradecem a todos que sempre engrandeceram a nossa historia!!!".

Trajetória

Luiz Carlos Leão Duarte Junior, como era batizado Champignon, formou o Charlie Brown Jr. com Chorão em 1992. Na época, era menor de idade e tinha de ter autorização para fazer shows.

A banda lançou nove discos de estúdio e teve diversas formações - Chorão foi o único a integrar todas elas. O sucesso veio em 1997, com o lançamento do álbum "Transpiração Contínua Prolongada". Canções como "Proibida Pra Mim (Grazon)", "Tudo o que ela Gosta de Escutar", "Gimme o Anel" e "O Coro Vai Comê!" caíram no gosto do público, principalmente o jovem, e fizeram com que o disco vendesse mais de 500 mil cópias.

A trajetória do Charlie Brown Jr. foi marcada por desentendimentos entre os integrantes. A mais grave ocorreu em 2005, quando Champignon, Marcão, Renato e Pelado deixaram o grupo alegando divergências musicais.

Em 2011, Champignon e o guitarrista Marcão voltaram a integrar o Charlie Brown Jr. Mas isso não significaria o fim das polêmicas. Em 2012, durante show em Apucarana (PR), Chorão deu uma bronca pública no baixista, dizendo que ele deveria "ficar muito grato" por ter sido aceito de volta após tê-lo acusado de roubar dinheiro do grupo.

Após ouvir a bronca calado, Champignon deixou o palco sob aplausos e gritos de "arregou". Dois dias depois, a banda divulgou um vídeo no qual Chorão se desculpou pelo ocorrido, dizendo que o problema estava resolvido. Em seguida, o baixista disse estar arrependido sobre o que falou do vocalista.

Quando Chorão foi encontrado morto, em março deste ano, Champignon foi ao apartamento do amigo e lamentou a morte. "A gente brigou algumas vezes na vida, mas graças a Deus restabelecemos a amizade", declarou.

Veja o vídeo da reconciliação entre Champignon e Chorão:

* Com reportagem de Susan Souza e Fernando Antonialli, iG São Paulo

Leia tudo sobre: morte de champignonchorãochampignoncharlie brown jrigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas