Após críticas de Caetano Veloso, Roberto Carlos deixa o Procure Saber

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

"Não é bem assim nosso jeito de trabalhar, somos mais discretos", diz advogado do cantor

O cantor Roberto Carlos deixou o Procure Saber, grupo de artistas que se mobilizou para impedir que uma mudança na lei brasileira permita a publicação de biografias sem autorização prévia.

A saída do músico foi anunciada por seu advogado Dody Sirena na noite de terça-feira (5), dois dias depois de Roberto Carlos ter sido criticado por Caetano Veloso, também do Procure Saber, em texto no jornal "O Globo".

Leia: Caetano critica Roberto Carlos e mostra racha no Procure Saber

Em comunicado, Sirena indicou o incômodo de Roberto Carlos com a forma agressiva como o debate sobre as biografias foi conduzido pelo Procure Saber. "Roberto conversou muito comigo em função dos últimos acontecimentos. Não é bem assim o nosso jeito de trabalhar, somos mais discretos, afinal defendemos também a privacidade no sentido profissional.

Reprodução
Roberto Carlos fala em vídeo do Procure Saber

"Caminhamos bastante, divergimos algumas vezes, mas acredito que podemos nos ver como uma seleção de futebol onde os grandes craques se reúnem para defender o país e depois voltam para os seus times", disse o texto de Sirena.

E acrescentou: "Concluímos que neste momento é importante continuar o trabalho que iniciamos há muitos anos sobre biografias, independente de estarmos em uma associação ou grupo. Portanto, a partir de agora, fiquem à vontade com o andamento do Procure Saber sem a presenca direta do Roberto."

Leia também: Roberto Carlos fala sobre biografias e diz que escreverá a sua

Roberto Carlos, que no passado proibiu a circulação de uma biografia sobre ele, assumiu posição mais flexível que a do Procure Saber em entrevista concedida ao Fantástico no dia 27. Também apareceu em um vídeo do grupo em que, ao lado de Erasmo Carlos e Gilberto Gil, garantiu ser contra qualquer tipo de "censura prévia".

No último domingo (2), Caetano usou sua coluna dominical em "O Globo" para criticar a imprensa por "dar a impressão" de que o Procure Saber mudou de posição contra as biografias. Roberto Carlos também foi seu alvo.

AE
Caetano Veloso e Roberto Carlos durante show conjunto

"RC só apareceu agora, quando da mudança de tom. Apanhamos muito da mídia e das redes, ele vem de Rei. É o normal da nossa vida. Chico era o mais próximo da posição dele; eu, o mais distante", escreveu Caetano. "De minha parte, apesar de toda a tensão, continuo achando que estamos progredindo."

Saiba mais: Entenda a polêmica das biografias não autorizadas
Leia também: Como é a questão das biografias nos EUA
Livros: Em meio à polêmica, editoras mantêm biografias
Cinema: Necessidade de autorização também impacta e veta filmes

"Para mim, ressalta o fato de que não há novidade conceitual nenhuma", escreveu Caetano. "Pode-se dizer que Roberto Carlos esteja se dirigindo ao público num tom de quem admite que o tema seja discutido, não como quem veta a hipótese de qualquer relativização da obrigatoriedade de autorização prévia. Mas isso porque Roberto era tido e sabido como o inimigo número um da invasão da privacidade. É notório que não era o meu caso, mas também ficou claro não ser o de Gil, Paulinha ou Djavan, por exemplo."

No texto, Caetano também alfinetou Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, advogado de Roberto Carlos, dizendo que ele falava pelo cantor, e não pelo Procure Saber.

Veja o que personalidades disseram sobre a questão das biografias:

Em 2007, Roberto Carlos conseguiu proibir a venda de uma biografia não autorizada.. Foto: Claudio Augusto/Foto Rio NewsChico Buarque é a favor da proibição: 'Pensei que o Roberto Carlos tivesse o direito de preservar sua vida pessoal'. Foto: Taiz DeringJá o escritor Luis Fernando Verissimo assinou um manifesto contra a proibição das biografias.. Foto: DivulgaçãoDjavan é a favor da proibição e alega que os biógrafos 'fazem fortuna'. Foto: Isabela KassowA escritora brasileira Nélida Piñon, que faz parte da ABL, também assinou o manifesto contra a censura prévia das biografias.. Foto: DivulgaçãoCaetano Veloso é a favor da proibição: 'A avalanche de pitos, reprimendas e agressões só me estimula a combatividade'. Foto: AEO cartunista Ziraldo também faz parte do coletivo de autores contra a censura às biografias. . Foto: Divulgação/Ana CollaMarília Pêra disse à Folha que é 'golpe baixíssimo xingar de reacionário aquele que necessita preservar seus sentimentos'. Foto: AgNews'Eu posso pagar um dízimo ao Roberto Carlos e falar da perna mecânica?', disse o escritor Ruy Castro, sobre a divisão de lucros que os artistas exigem.. Foto: AEGilberto Gil: 'A soberania decisória sobre a vida privada é que deve prevalecer'. Foto: DivulgaçãoFrejat faz parte de grupo que é contrário à necessidade de autorização para biografias. Foto: AgNewsO presidente do STF Joaquim Barbosa declarou: 'Censura prévia é ruim, não é permitido, é ilegal'. Foto: Divulgação/STFAlceu Valença crê que impedir os biógrafos é 'uma equivocada tentativa de tapar, calar, esconder e camuflar a história no nosso tempo'. Foto: DivulgaçãoMário Magalhães, biógrafo de Marighella: 'Roberto Carlos é, sim, dono da vida dele. Mas não é dono da história'. Foto: DivulgaçãoLobão disse que proibir uma biografia é 'ato falho de quem tem culpa no cartório e já sabe de antemão que tem muito podre'. Foto: ReproduçãoNana Caymmi: '(Exigir autorização) chama-se egoísmo. Ou então é alguém que tem alguma coisa a esconder'. Foto: AgNewsFagner: 'Sou contra o Procure Saber. Não se pode impedir que as pessoas escrevam'. Foto: Leia JáPaulo Coelho sobre proibição de Roberto Carlos à biografia: 'Continuarei comprando seus discos, mas estou chocado'. Foto: Getty ImagesO escritor Benjamin Moser respondeu a Caetano Veloso: 'A liberdade de expressão não existe para proteger elogios'. Foto: Divulgação

Veja a íntegra do comunicado de Dody Sirena:

"Caros amigos do Procure Saber,

Este ano ainda não encerrou e vejo quantos movimentos interessantes aconteceram para os artistas brasileiros. Demos um grande passo com o Ecad e trouxemos à tona o tema biografias/privacidade. Falamos sobre direitos e, como administradores/empresários dos maiores nomes da música brasileira, sabemos que no futuro tudo isso será uma grande referência de um movimento coletivo, como outros que estes ícones já participaram. Interessante lembrar que a tropicália e as guitarras andaram em calçadas diferentes, que a imprensa anunciava que a MPB não gostava da Jovem Guarda, e com o tempo todos se uniram no mesmo pensamento.

Caminhamos bastante, divergimos algumas vezes, mas acredito que podemos nos ver como uma seleção de futebol onde os grandes craques se reúnem para defender o país e depois voltam para os seus times. Roberto conversou muito comigo em função dos últimos acontecimentos. Não é bem assim o nosso jeito de trabalhar, somos mais discretos, afinal defendemos também a privacidade no sentido profissional.

Concluímos que neste momento é importante continuar o trabalho que iniciamos há muitos anos sobre biografias, independente de estarmos em uma associação ou grupo. Portanto, a partir de agora, fiquem à vontade com o andamento do Procure Saber sem a presenca direta do Roberto. O comitê criado na última reunião na Urca para atender as biografias continuará atuando de forma intensa apenas em nome do Roberto, já que Dr Marco Antonio Campos, Dr Antonio Carlos Almeida/Kakay, Dra Fernanda Gutheil e Dra Ana Paula Barcelos, são profissionais de sua equipe.

Gostaria de sugerir que o Procure Saber nomeie representantes para falar em nome do grupo quanto a liberação das biografias e em defesa da privacidade, principalmente no Congresso Nacional, em razão do pronunciamento coletivo e do comunicado oficial. Sempre que outros assuntos surgirem com tema coletivo, se Roberto entender que a pauta vai de encontro aos seus pensamentos, considerem sua adesão. Como exemplo, a pronta e efetiva participacao dele no caso do autoral/Ecad e nos futuros desdobramentos com órgão regulador, como já discutimos em outras ocasiões, bem como as questões trabalhistas e a plataforma digital.

Foi muito importante termos participado deste grupo e desejamos boa sorte para os próximos passos.

Com respeito e admiração por cada um de vocês."

Dody Sirena

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas