Vazamento está na rota de baleias e golfinhos, alerta secretário

Carlos Minc afirma que acompanha com preocupação desenrolar das investigações sobre derramamento de petróleo na Bacia de Campos

iG São Paulo |

O secretário do Meio Ambiente do estado do Rio de Janeiro, Carlos Minc, alertou que a região onde ocorreu o vazamento de óleo na Bacia de Campos é rota migratória de baleias-jubarte e golfinhos. Minc disse à Agência Brasil que acompanha com preocupação as notícias sobre o incidente na plataforma de exploração de petróleo de responsabilidade da Chevron Brasil Upstream, no Campo Frade.

O secretário vai sobrevoar a área amanhã (18) e afirmou que três equipes do governo estadual monitoram o litoral norte fluminense. “Estamos realmente preocupados. Nesta época do ano, esses animais vêm do norte para o sul em busca de local para reprodução e de um tipo de camarão, do qual eles se alimentam. Além disso, há um fenômeno natural chamado corrente rotor, que é perto da região do acidente e que, como um liquidificador, leva o que chega ali para perto de Arraial do Cabo e de Búzios [no litoral norte do estado do Rio]”, explicou o secretário.

Reprodução
Imagem tirada em 14 de bovembro pelo satélite MODIS/Aqua mostra a mancha de óleo na Bacia de Campos


Minc aproveitou para defender a manutenção das regras atuais de distribuição dos royalties do petróleo, em que o dinheiro é destinado apenas para os estados e municípios produtores. “Se esse óleo chegar à praia não vai chegar a Rondônia ou ao Tocantins, mas a Arraial do Cabo, a Rio das Ostras e a Campos dos Goytacazes”, disse Minc, que participou esta manhã, de uma solenidade do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) na Baixada Fluminense.

Saiba mais:
O tamanho do estrago: Chevron estima vazamento de 404 a 650 barris no Brasil
Mudança de postura: Antes, empresa dizia que vazamento na Bacia de Campos era normal
Solução à vista? Chevron avalia que mancha de óleo não cresceu e se afasta da costa
Investigação:  PF abre inquérito para investigar vazamento na Bacia de Campos

No dia 8 de novembro foi detectado um vazamento em poço operado pela petroleira norte-americana Chevron. A empresa estima que o volume total do vazamento é de 400 a 650 barris. No entanto, estudo feito pela ONG SkyTruth, especializada em interpretação de fotos de satélites com fins ambientais, afirma que problema no campo Frade, na bacia de Campos, pode ser dez vezes pior do que o divulgado .

De acordo com cálculo feito pela SkyTruth, a partir de imagens de satélite, concluiu que o poço no Campo Frade já derramou cerca de 15 mil barris de óleo (2.384.809 litros) no mar, estimando que a taxa seja de 3.738 barris por dia (594.294 litros).

Caso de polícia
Hoje (17) a Polícia Federal abriu inquérito para investigar os danos ambientais provocados pelo derramamento de óleo em plataforma do campo Frade. De acordo com a assessoria de imprensa da PF, uma equipe de peritos foi enviada à plataforma para iniciar as investigações. Em nota, a PF informou que os responsáveis pelo incidente poderão ser indiciados por crime de poluição e, se condenados, estão sujeitos a penas que variam de um a cinco anos de prisão (artigo 54, Lei 9.605/98).

Leia mais:Ibama afirma que técnicos cumprem plano da Chevron

A Chevron anunciou na terça-feira (15) que tomou a precaução de fechar o poço na superfície, como medida de segurança, e atualmente está no processo de vedar e abandonar o poço. Agência Nacional de Petróleo (ANP) informou que a cimentação teve início na quarta-feira (16). Foi colocado um tampão de cimento cujo tempo de secagem é estimado em 20 horas.

Leia outras notícias sobre vazamentos de petróleo pelo mundo:
ConocoPhillips afirma que limpou 85% do petróleo que vazou no Mar Amarelo
Nova Zelândia anuncia pior catástrofe ecológica marítima do país
Infográfico do iG acompanhou a evolução do vazamento no Golfo do México

(Com informações da Agência Brasil)

    Leia tudo sobre: vazamentopetróleobacia de campos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG