Rio Tietê deve ser despoluído até 2025, diz Sabesp

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Obras de coleta e tratamento de esgoto estão sendo desenvolvidos pelo Projeto Tietê que recebeu R$1,35 bilhões do BNDES

Agência Estado

Nelson Antoine/Fotoarena/AE
Presidente diz que até o fim da década rio Tietê quase não terá odor

A presidente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Dilma Pena, afirmou que a concessionária tem a meta de despoluir o Rio Tietê até 2025, por meio das obras de coleta e tratamento de esgoto desenvolvidas pelo Projeto Tietê. "Em 2025 teremos o rio despoluído", afirmou. "Até o final da década, teremos uma condição (do rio) próxima de sem odor e grau de despoluição bastante avançado", completou.

Leia mais: Sabesp receberá R$ 1,35 bilhão para despoluir Rio Tietê

A declaração de Dilma foi feita nesta sexta-feira (15), no Palácio dos Bandeirantes, durante cerimônia com presença do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho. A reunião foi promovida para assinatura de financiamento de R$ 1,35 bilhão do banco para o Projeto Tietê.

A presidente da Sabesp afirmou que o planejamento da concessionária para a quarta etapa do Projeto Tietê está concluída, e que demandará investimentos de R$ 4 bilhões, dos quais R$ 1,2 bilhão já está garantido. "Essa etapa atinge áreas remotas e pobres da região metropolitana", mencionou. Dilma acrescentou que será lançada em abril uma licitação internacional para contratação de serviços para aumentar a eficiência das principais estações de tratamento de esgoto (ETEs) da região. "Vamos aumentar a capacidade de tratamento e a eficiência das ETEs", disse.

Leia também: Em 5 anos, rios da Grande São Paulo só pioraram

Projeto
O Projeto Tietê está em sua terceira etapa, iniciada em 2011, de um total de quatro. O custo total da terceira etapa é de R$ 3,90 bilhões, e conta com financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O empréstimo firmado com o BNDES servirá para cobrir a contrapartida da Sabesp dentro do contrato com o BID. Os novos investimentos, de R$ 1,35 bilhão, irão elevar a coleta e o tratamento de esgoto na capital paulista e em 27 cidades da região metropolitana, beneficiando os rios Tietê, Pinheiros e Tamanduateí.

A terceira etapa envolve cerca de 500 obras, entre as quais a construção de nove estações de tratamento de esgoto, ampliação de três já em operação e instalação de 580 km de grandes tubulações para redes de bairros, entre outras medidas.

De acordo com planejamento da Sabesp, ao fim da terceira etapa do Projeto Tietê, o índice de coleta de efluentes irá de 84% para 87% na região metropolitana. O tratamento subirá de 70% para 84%. As obras do Projeto Tietê começaram em 1995 e têm duração prevista de 25 anos. A primeira etapa ocorreu de 1995 a 1998, com investimento de R$ 2,16 bilhões; a segunda foi de 2000 a 2008, com R$ R$ 982 milhões. A terceira etapa vai de 2011 a 2015, com R$ 3,9 bilhões.

Leia tudo sobre: igsprio tietêsabespdespoluição

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas