Teste de DNA alemão pode solucionar qual  gêmeo idêntico cometeu um estupro

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Método também ajuda a solucionar casos inconclusivos e esclarece paternidade entre irmãos com mesma parceira

BBC

Já se sabe que gêmeos idênticos não são totalmente iguais. Mas, até agora, era quase impossível diferenciar o DNA deles.

No entanto, um laboratório da Alemanha elaborou um novo exame de DNA que seria capaz de fazer essa diferenciação e promete ajudar a esclarecer crimes não solucionados ou questões de paternidade.

Conheça a home do Último Segundo

AP
Tyrone (esq.) e Jerome Cooper foram libertados depois de acusação de estupro nos EUA

Agosto: Reino Unido indicia gêmeos por estupro após DNA não distinguir autor

Um exemplo de crime que pode ser resolvido com o novo teste é o caso dos estupros de seis mulheres em Marselha, sul da França, no fim de 2012. As provas, inclusive amostras de DNA, levaram a polícia a dois suspeitos, os gêmeos idênticos Elwin e Yohan, que não tiveram os sobrenomes revelados.

As vítimas reconheceram os gêmeos, mas não conseguiram identificar qual dos dois tinha sido o estuprador. Os dois estão presos desde fevereiro de 2013; ambos se dizem inocentes e se recusam a culpar o outro.

Marselha: Gêmeos confundem polícia francesa após DNA 'solucionar' crime

Quando foram presos, a imprensa deu a entender que os testes para determinar qual dos gêmeos deveria ser acusado seriam caros demais. Mas isso pode mudar, com ajuda dos cientistas especializados em pesquisa de genoma no laboratório Eurofins, em Ebersberg, Alemanha.

"O genoma humano é formado por um código alfabético de 3 bilhões de letras", explicou Georg Gradl, especialista em sequenciamento genético do laboratório. "Se o corpo está crescendo, ou um embrião está se desenvolvendo, então todos as 3 bilhões de letras precisam ser copiadas." "Durante esse processo de cópia no corpo acontecem 'erros de digitação'", disse o cientista se referindo a pequenas mutações.

Partes de DNA

Em exames de DNA tradicionais, apenas uma pequena parte do código é analisada, o suficiente para diferenciar duas pessoas consideradas normais, mas não para diferenciar gêmeos idênticos.

Gradl e sua equipe recolheram amostras de um par de gêmeos idênticos e analisaram toda a sequência de 3 bilhões de letras. Com isso, encontraram algumas dezenas de diferenças no DNA.

Os cientistas também analisaram o filho de um dos homens e descobriram que ele herdou cinco das mutações do pai. Após analisar os resultados, eles afirmam que agora podem diferenciar qualquer gêmeo idêntico do outro e os filhos desses gêmeos.

A rapidez do resultado é importante nesses casos; o teste alemão leva um mês para ser concluído. Institutos de Criminalística da Europa, América Latina e EUA já pediram ajuda à Eurofins para solucionar dez casos diferentes.

Gradl afirma que casos de estupro ou violência sexual envolvendo gêmeos são "mais frequentes do que esperávamos". Com frequência há vestígios de sêmen e, "nesses casos, nós podemos diferenciar".

A empresa não pode revelar em quais casos está trabalhando, mas Gradl admite que o caso de Marselha é "certamente um desses que gostaríamos de ajudar e estamos convencidos de que vamos conseguir (um resultado)".

Crimes e paternidade

Vários casos de estupros que aconteceram em outros países também poderiam receber ajuda desse novo teste.

Na Argentina, por exemplo, a Justiça suspendeu um julgamento para que fossem feitas mais investigações depois que um homem acusado de estupro culpou o irmão gêmeo.

Nos EUA, houve casos em que uma tatuagem ou um álibi ajudaram a processar o gêmeo certo, mas também existiram casos em que os dois suspeitos tiveram de ser libertados.

Um destes aconteceu em 1999, em Grand Rapids, no Estado do Michigan, quando uma estudante foi agredida e estuprada. Cinco anos depois, a polícia relacionou o DNA recolhido durante o inquérito a Jerome Cooper, mas ele tem um gêmeo idêntico, Tyrone. E os dois irmãos já tinham sido acusados de violência sexual.

"Os dois negaram (o crime)", afirmou o capitão Jeffrey Hertel, da polícia de Grand Rapids. "Esperávamos, de forma ingênua, que um deles fosse dizer: 'Não quero que meu irmão seja acusado de algo que não fez - fui eu', mas isto nunca aconteceu", acrescentou o policial.

Também há complicações em casos ligados a tráfico de drogas que poderiam ser solucionadas.

Em 2009, em Kuala Lumpur, na Malásia, a polícia apreendeu 166 quilos de maconha e 1,7 quilo de ópio em um carro. O motorista foi preso e, ao chegar na casa para onde o carro se dirigia, os policiais encontraram o gêmeo idêntico do motorista.

A polícia sabia que o primeiro, o motorista, seria o culpado, mas, durante o julgamento, surgiram dúvidas sobre quem seria quem entre os gêmeos, e exames de DNA disponíveis não puderam ajudar a diferenciá-los oficialmente. Os dois foram libertados, escapando da pena de morte que geralmente é o destino dos traficantes de drogas do país.

E não apenas crimes seriam solucionados, mas também casos de dúvida em relação à paternidade envolvendo gêmeos idênticos.

Em 2007, a Justiça do Estado americano do Missouri tentou descobrir quem era o pai do filho de Holly Marie Adams, que manteve relações sexuais com dois irmãos, gêmeos idênticos, Raymon e Richard Miller.

Como nesse caso o teste de DNA tradicional foi inconclusivo, foi necessário contar apenas com os testemunhos de Holly sobre os dias exatos em que ela manteve relações com os dois, como essas datas correspondiam ao ciclo menstrual e se algum deles usou preservativo. No final, apenas com base nessas provas, foi determinado que Raymon era o pai.

Para Laura Walton-Williams, do Departamento de Ciência do Crime e Criminalística da Universidade de Staffordshire, no Reino Unido, o teste de DNA da Eurofins é um grande avanço e poderia ser usado até para descobrir se um gêmeo está envolvido no assassinato de um irmão idêntico, pois, pela primeira vez, será possível diferenciar o DNA da vítima e do suspeito.

Mas a especialista acredita que a Justiça precisará saber se esse exame foi rigorosamente testado, e se o custo poderá influenciar na decisão de usá-lo ou não. Até o momento, a Eurofins não divulgou quando esse exame de DNA vai custar.

Leia tudo sobre: dnagêmeosalemanhaestupropaternidade

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas