Mulher norte-americana morre em transatlântico que chegou ao Rio

Problemas cardiovasculares teriam causado morte. Segundo a Anvisa, 86 pessoas tiveram gastroenterite durante a viagem

Anderson Ramos, especial para o iG |

Uma mulher norte-americana morreu a bordo de um navio que atracou na manhã desta terça-feira (22) no Píer Mauá, no centro do Rio de Janeiro. De acordo com a PF (Polícia Federal), a embarcação veio do Uruguai.

A vítima foi identificada como Dorothy Missen Philips, de 61 anos. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou ter recebido do Serviço Médico do transatlântico a informação de que a norte-americana havia morrido em decorrência de problemas cardiovasculares. Mas a confirmação da causa da morte só poderá ser anunciada depois da autópsia.

A PF informou que aguarda o laudo cadavérico e vai colher o depoimento do médico do navio para avaliar a necessidade de abertura de um inquérito. O corpo da vítima foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML).

A Anvisa informou ainda que o relatório do Serviço Médico do navio indicou que foram notificados 86 casos de gastroenterite, sendo 79 em passageiros e sete tripulantes.

Segundo a Anvisa, os primeiros casos sintomáticos foram registrados no dia 6, quando o transatlântico estava em escala em Valparaiso, no Chile. Nos últimos dois dias foram registrados dois casos novos, o que aponta a diminuição significativa do número de casos no momento de atracação do navio no Brasil (no dia de hoje somente existia um passageiro com sintomas de gastrenterite a bordo).

Leia também: Cruzeiros - tudo o que você precisa saber antes de embarcar

Todos os passageiros foram liberados e aqueles que não sentiam bem seguiram para o posto da Anvisa localizado no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim (Galeão), na Ilha do Governador, zona norte da cidade.

O navio MS Veendam possui 629 cabines e capacidade para receber 1.258 passageiros. O transatlântico faz parte da frota da Holland America. A reportagem do iG entrou em contato com a sede da empresa em Seattle, nos Estados Unidos, mas ninguém foi encontrado para comentar o assunto.

Segundo o secretário estadual de Turismo, Ronald Ázaro, não há risco para a população fluminense. “Se a Anvisa estava avisada e sabe qual foi o grau de contágio, ela comunicaria para a gente [as autoridades do Estado]. Então, não teve um grau de infecção que pudesse contagiar outras pessoas aqui”, disse o secretário.

O navio Veendam saiu de Nova York, nos Estados Unidos, há 36 dias, e passou por vários países sulamericanos até chegar ao Brasil. Passageiros relataram que, durante a viagem, a tripulação começou a dar orientações sobre cuidados com higiene pessoal, orientando as pessoas a lavar sempre as mãos e nunca tocar nos alimentos.

Alguns passageiros disseram que os garçons serviam as refeições com luvas e máscaras. Há informações de que a piscina foi interditada nos últimos dias.

A Secretaria Estadual de Turismo reclamou do fato de a empresa responsável pelo navio não ter avisado as autoridades portuárias sobre o problema a bordo. Por isso, houve desconforto no momento do desembarque e do embarque dos passageiros para a próxima viagem.

Com informações da Agência Brasil

    Leia tudo sobre: cruzeirogastroenterite

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG