Israelense preso teve filho na cadeia por inseminação para não ser extraditado

Sêmen de Yoram El Al foi colhido na prisão e ele engravidou brasileira, para ter bebê no Brasil e ficar no País

Raphael Gomide, iG Rio de Janeiro |

O israelense Yoram El Al , preso na megaoperação da Polícia Federal desta sexta-feira (7), conseguiu ficar no Brasil apesar de ter pedido de extradição para os Estados Unidos, em 2006, utilizando-se de um expediente fantástico e aproveitando-se de uma brecha da lei.

Leia também: Atletas de grandes clubes e artistas lavaram dinheiro com esquema

Mesmo preso, ele conseguiu que seu sêmen fosse colhido no presídio e que isso resultasse em uma gravidez por inseminação artificial com uma brasileira. A operação à distância deu origem a um filho nascido no País. O Brasil não extradita pessoas com filhos brasileiros. Dessa maneira, o Supremo Tribunal Federal não autorizou a sua extradição.

Beneficiado por essa primeira decisão, o israelense não deve ser extraditado para os Estados Unidos nem para o Uruguai, dois países que reclamam a sua prisão internacionalmente, como mostra a página da Interpol na internet.

O mais provável é que, caso seja condenado, cumpra pena aqui no Brasil. Ele responde no processo por diversos, como contrabando, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, formação de quadrilha e evasão de divisas.

Tecnicamente, ele poderia até ser expulso pelo governo brasileiro, devolvido a Israel, sem cumprir pena, mas isso é procedimento normalmente adotado para casos de pequenos crimes, em que não compensa manter no País um prisioneiro, tendo em vista o baixo potencial ofensivo.

    Leia tudo sobre: máfia israelensejogo do bichoextradiçãostf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG