Após votação, revolta e luto marcam regiões separatistas do Pará

Em Tapajós e Carajás, cerca de 90% dos eleitores apoiaram divisão do Estado. Em Belém, ampla maioria quis manter unidade

Wilson Lima, iG Maranhão |

O clima é de velório. Há uma tristeza profunda", diz moradora de Santarém

Apesar de os paraenses terem vetado a proposta de divisão do Pará em três para a criação de Tapajós e Carajás, o dia seguinte ao plebiscito mostra que o Estado está completamente divido.

Santarém, que vivia o sonho de ser a capital do Tapajós, está de luto. Além disso, a Câmara Municipal aprovou uma moção de repúdio contra o governador , Simão Jatene (PSDB), e contra o vice, Helenilson Pontes (PPS). Em Marabá, que seria capital de Carajás, o clima também é de tristeza e revolta.  Em Belém, a população comemorou até o dia nascer a manutenção do atual território do Estado.

Reprodução
Imagem criada por separatista, em luto contra derrota em plebiscito: preto significa a tristeza. O amarelo, as riquezas da regiões que continuam ligadas ao Pará

A criação de Tapajós foi rejeitada por 66,08% dos paraenses e a criação de Carajás, por 66,6%. A abstenção no Estado foi de 25,7%, menor ainda que a do 2° turno das eleições de 2010, quando foi de 27%.

O plebiscito: População rejeita dividir o Pará

O dia seguinte: Desafio agora é reunificar Pará, afirma governador do Estado

Clima ruim: Separatistas falam em mudar capital do Pará para interior

Ataques: Vereadores de Santarém aprovam moção de repúdio contra governador

A votação ocorreu praticamente em bloco. Todos os 78 municípios que fariam parte do Novo Pará foram contra a proposta de divisão do Estado. Nestas cidades, o índice de rejeição aos novos Estados foi na casa dos 90%. Todos os 39 municípios do possível Estado de Carajás também votaram de forma semelhante, a favor da divisão do Estado, com votação, em média, de 90% pela divisão.

Apenas em Tapajós houve cidades unionistas dentro do eixo separatistas. Mas elas foram poucas. Das 27 cidades que fariam parte do novo Estado, apenas quatro (Altamira, Vitória do Xingu, Porto de Moz e Senador José Porfírio) votaram contra a divisão. Foram justamente nestes municípios onde ocorreram as votações mais equilibradas, onde a vitória do “Não” foi da ordem de 65%. Nas demais cidades de Tapajós, a vitória do “Sim” também superou a casa dos 90%.

Mobilização

Reprodução
Revoltados com celebridades que fizeram campanha contra divisão Pará, moradores de Santarém ironizam Fafá de Belém, Ganso e Dira Paes
Na região separatista, moradores começaram uma mobilização na internet de apoio aos novos Estados. Circulam na internet repúdios e mensagens com críticas ácidas contra personalidades que participaram da campanha contra a divisão do Estado, como a cantora Fafá de Belém, o meia do Santos e da Seleção Brasileira, Paulo Henrique Ganso e a atriz Dira Paes.

Em Santarém, moradores estenderam faixas pretas nas casas e lojas como sinal de luto. A prefeita Maria do Carmo (PT) decretou luto oficial e, em prédios públicos, também foram colocadas faixas pretas sobre a bandeira da campanha “Sim Tapajós”. Pessoas usando fitas e camisas pretas também são facilmente vistas na região. “O clima é de velório. Há uma tristeza profunda (pela não aprovação do Estado de Tapajós)”, disse a microempresária Fabiane Oliveira, de 26 anos. Ela estendeu uma faixa preta em frente ao seu estabelecimento comercial também como forma de luto.

Em Marabá, a a revolta começou ainda na noite de domingo. Centenas de pessoas se concentraram na orla Sebastião Miranda como forma de protesto contra o resultado. Os marabaenses também publicaram em seus perfis do Facebook uma bandeira do Pará com as cores pretas, em vez do vermelho. O governador Simão Jatene também é alvo de críticas e os carajaenses iniciaram hoje uma campanha “se Jatene é contra Carajás, eu sou contra Jatene”. Apesar da animosidade maior com Belém, Marabá sentiu um impacto menor da derrota. “Era meio que esperado”, disse a vendedora Cíntia Ramos.

Em Belém, houve festa do início da noite de domingo e ela se prolongou até a madrugada. Pelo menos mil pessoas se concentraram na Avenida Doca de Suza Franco, no centro, ao som de trios elétricos e tecno-brega.

Reprodução
Moradores de Tapajós criam imagem para colocar nos seus perfis no Facebook
Durante a madrugada, em outras casas de diversão, principalmente na periferia, como no bairro Guamá, moradores comemoravam até as primeiras horas da manhã. Nas ruas nesta segunda-feira, ainda era possível ver bandeiras e pessoas com camisetas com a bandeira do Pará, com orgulho do resultado nas urnas.

O deputado federal Zenaldo Coutinho (PSDB), líder da frente pró-Carajás, afirmou que o resultado sepulta por pelo menos 50 anos qualquer rumor separatista no Estado. “Agora é obedecer à soberania de um povo e trabalhar pela união do Estado”, disse Coutinho após a confirmação da vitória do “Não”.

Continue lendo sobre a divisão:

- Com medo de rejeição, personalidades do Pará se eximem de opinar

- Tire suas dúvidas sobre a divisão do Pará

    Leia tudo sobre: ParáTapajósCarajásplebiscitodivisão do Parádivisao do para

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG