Com policiais em greve, Exército assume segurança no Maranhão

Paralisação começou na sexta. Grupo de soldados e oficiais invadiu a Assembleia Legislativa do Estado e segue acampado

Wilson Lima, iG Maranhão |

O secretário de Segurança do Maranhão, Aluísio Mendes, afirmou nesta sexta-feira (25), no início da tarde, que o Exército fará o papel de polícia durante a greve da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros no Estado. Além disso, a Secretaria de Segurança do Estado determinou o corte de ponto dos policiais envolvidos na paralisação iniciada na noite de quarta-feira.

Wilson Lima/iG
Grevistas vêem TV na Assembleia Legislativa invadida por policiais

Entenda o caso: Policiais militares do Maranhão invadem Assembleia Legislativa

Paralisação irregular: Justiça decide que greve de policiais no Maranhão é ilegal

Força externa: Sem PM, governo do Maranhão pede ajuda ao Exército e à Aeronáutica

Líderes: Coronel da PM pede prisão de 8 policiais grevistas no Maranhão

A greve foi considerada ilegal pela Justiça, após decisão do desembargador Stélio Muniz. Os grevistas, que invadem desde o início da paralisação a Assembleia Legislativa do Maranhão, já foram notificados, mas não pretendem deixar o prédio. Eles querem abrir negociação com a governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB). Mas, conforme Mendes, a governadora não conversará com os manifestantes enquanto eles mantiverem a invasão da Assembleia.

Desde quarta-feira, parte do policiamento do Maranhão está a cargo de homens da Força Nacional. Nesta sexta-feira, além de 950 homens do Exército do Maranhão, haverá o reforço de mais 250 soltados do Piauí que trabalharão no policiamento ostensivo. A chamada “Operação Maranhão” também terá a colaboração de homens da Aeronáutica e da Marinha. Houve também reforço de homens da Força Nacional para o Estado, mas não se tem informações oficiais sobre o quantitativo da tropa. Estima-se que a tropa da Força Nacional chegue, no mínimo, com 500 homens.

Wilson Lima/iG
Policiais acampam na Assembleia Legislativa do Maranhão

O efetivo da Polícia Militar empregado no Maranhão é de 7,5 mil homens. São Luís, sozinha, responde por metade deste efetivo. Neste sábado, representantes do comando da 10ª Região Militar chegam ao Maranhão e eles devem fazer um levantamento se há necessidade de envio de novos soldados do Exército. Oficialmente, o governo do Estado fala que adesão chega a 55% na capital e até 15% no interior. Os grevistas afirmam que a adesão da greve dos policiais militares e bombeiros é de 70%.

O secretário de Segurança confirmou nesta sexta-feira que já foi efetivado o primeiro corte de ponto dos militares envolvidos na paralisação. Ao decretar a greve da PM ilegal, o desembargador Stélio Muniz também aplicou multa de R$ 200 a cada integrante da corporação que faz parte do movimento. “Já determinamos aos comandos que repassem à Secretaria de Estado de Planejamento (SEPLAN)  as informações sobre as faltas para que efetuemos os descontos”, diz ele.

Na quinta-feira (24), o comando da Polícia Militar do Maranhão ingressou com representação no Ministério Público Estadual (MPE) pedindo a prisão dos líderes do movimento. O pedido de prisão será analisado pela promotora de Justiça Militar do Maranhão, Maria do Socorro Assunção Gomes. A expectativa é que o pedido seja feito ainda nesta sexta-feira ou no início da semana que vem.

    Leia tudo sobre: maranhãopoliciais militaresgreve

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG