Segundo a polícia, integrantes da diretoria do Movimento Sem-Teto de São Paulo são ligados à facção criminosa e nunca atuaram em questões sociais

Polícia cívil realizou operação na Cracolândia nesta quinta (5) contra tráfico de drogas e organizações ligadas ao PCC
Marivaldo Oliveira/Estadão Conteúdo - 05.08.2016
Polícia cívil realizou operação na Cracolândia nesta quinta (5) contra tráfico de drogas e organizações ligadas ao PCC


O diretor do Departamento Estadual de Repressão ao Narcotráfico (Denarc), delegado Ruy Ferraz Fontes, afirmou nesta sexta-feira (5) que o Movimento Sem-Teto de São Paulo (MSTS) "foi criado para disfarçar a atuação de uma organização criminosa". 

LEIA MAIS:   Após pressão do MTST, governo recua e promete moradias 

Segundo o advogado, integrantes da diretoria são ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC) e nunca atuaram em questões envolvendo moradia. "A vice-presidente [do movimento] mora em uma casa de alto padrão no bairro da Saúde, na zona sul. O presidente reside no Jabaquara, também na zona sul, e é dono de uma casa de shows chamada Caldeirão", assegurou o juíz. 

LEIA MAIS:  Manifestantes do MTST ocupam escritório da Presidência da República 

Segundo investigações da polícia, o Edifício Marrocos, na região central da capital paulista, era o quartel general do PCC na Cracolândia. No local, os criminosos se reuniam para contabilizar o dinheiro do tráfico e definir o que seria feito com traficantes que deviam dinheiro para o PCC. "O único interesse era o tráfico de drogas e estruturar o PCC dentro dos movimentos de moradia", afirmou o delegado.

Segundo a polícia, o Edifício Marrocos, na região central da capital paulista, era o quartel general do PCC na Cracolândia
Mario Ângelo/Sigmapress/Estadão Conteúdo
Segundo a polícia, o Edifício Marrocos, na região central da capital paulista, era o quartel general do PCC na Cracolândia


No prédio, os investigadores encontraram armas, como um fuzil AK 47, e carabinas escondidas no elevador, drogas, facas e muita munição.

LEIA MAIS:  Estudantes e MTST ocupam 25 escolas de SP em protesto contra fechamento

Considerado um dos principais integrantes do PCC na Cracolândia e também do MSTS, Wladimir Ribeiro Brito foi preso em Maceió, onde passava "férias" para comemorar o aniversário da namorada. A polícia apurou que ele desviou R$ 70 mil do PCC para a viagem.

LEIA MAIS:  Ação contra tráfico de drogas na cracolândia mira candidato a vereador

O iG tentou contato com a MSTS, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem. 

*Com informações do Estadão Conteúdo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.