Brasil vai cobrar esclarecimentos ao Irã sobre caso de diplomata

Diplomata iraniano é acusado de abusar quatro meninas em um clube em Brasília

BBC Brasil |

selo

O ministro das Relações Exteriores brasileiro Antonio Patriota disse na noite desta quinta-feira (20) que o Itamaraty vai "cobrar esclarecimentos" à embaixada do Irã sobre as acusações de que um diplomata da representação tenha abusado de quatro meninas em um clube de Brasília.

Em coletiva de imprensa após o encontro entre a presidente Dilma Roussef e o presidente do Uruguai, José Mujica, Patriota respondeu perguntas sobre o incidente com o representante diplomático iraniano.

Saiba mais: Diplomata do Irã é suspeito de abuso contra garotas em Brasília

Ele afirmou que o Itamaraty recebeu os familiares das supostas vítimas e disse que considera as alegações "muito preocupantes".

"Eu consideraria pessoalmente inaceitável se algum diplomata brasileiro se comportasse dessa maneira em algum país onde ele estivesse acreditado."

A partir da reação pela embaixada iraniana, segundo o ministro, o Itamaraty decidirá que medidas tomar.

'Mal entendido'

Na noite da última quarta-feira, a embaixada iraniana divulgou um comunicado dizendo que o caso não passou de um "mal entendido" gerado a partir "diferenças nos comportamentos culturais" entre os dois países.

Leia também: Embaixada do Irã atribui denúncia de abuso a 'diferenças culturais'

A representação criticou ainda a cobertura da imprensa brasileira sobre o episódio.

Para a embaixada, o incidente revelou a maneira como "a mídia, geralmente tendenciosa, [se posiciona] sobre as coisas relativas a alguns países como o Irã", pelo qual se "demonstra nitidamente um comportamento intencional, propositado e imparcial".

O comunicado não cita o nome do diplomata, mas fontes ouvidas pela BBC Brasil confirmaram se tratar de Hekmatollah Ghorbani, de 51 anos.

Ghorbani, que é conselheiro da embaixada iraniana, o terceiro posto mais importante na hierarquia de uma representação diplomática, é suspeito de ter abusado de quatro meninas - de 9, 11, 14 e 15 anos - no último sábado no clube 'Vizinhança 1', em Brasília.

Como figura no registro de suas credenciais, entregues ao Ministério das Relações Exteriores quando iniciou suas atividades no Brasil, Ghorbani está no país desde fevereiro de 2010 e é casado.

"Segundo as garotas, ele teria aproveitado para tocar as partes íntimas delas enquanto nadava na piscina do clube", afirmou Johnson Monteiro, delegado responsável pelo caso.

Após o incidente, Ghorbani foi encaminhado pela Polícia Militar a uma delegacia em Brasília. Lá, foi identificado como integrante do corpo diplomático do Irã e, posteriormente, liberado.

Na delegacia, os policiais lavraram um boletim de ocorrência e um registro do depoimento das testemunhas. Os dois documentos foram submetidos ao Itamaraty para análise.

Por ter imunidade diplomática, estabelecida pela Convenção de Viena - da qual o Brasil e o Irã são signatários -, Ghorbani não pode ser preso ou processado por nenhum crime, nem mesmo multado por infrações. A única exceção é se o país de origem retirar a imunidade diplomática de seu funcionário.

O Itamaraty, que recebeu os documentos no fim da tarde da última quarta-feira, ainda não emitiu parecer sobre o caso nem deu previsão de quando o fará.

O Ministério das Relações Exteriores pode considerá-lo "persona non grata" no país e solicitar que deixe o Brasil.

Outra possibilidade é encaminhar o caso às autoridades iranianas, que poderiam julgá-lo segundo as leis do país.

    Leia tudo sobre: irãbrasildiplomata

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG