Jair Bolsonaro em evento no Rio de Janeiro
Reprodução - 19/05/2022
Jair Bolsonaro em evento no Rio de Janeiro

presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou, em discurso durante o Congresso Mercado Global de Carbono nesta quinta-feira no Rio, que as sugestões das Forças Armadas ao processo eleitoral "não vão ser jogadas no lixo", e sugeriu que haveria uma "sombra de suspeição" sobre as eleições.

Bolsonaro, que tem atacado as urnas eletrônicas sem apresentar evidências, também voltou a criticar o Poder Judiciário, e disse passar "mais da metade do tempo" se defendendo do que chamou de "interferências indevidas" em seu governo.

Bolsonaro e aliados têm alegado que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não acatou sugestões de militares a respeito da contagem e totalização dos votos. O TSE, no entanto, respondeu e rebateu os supostos erros apontados em documento assinado pelo general Heber Garcia Portella, que participa da Comissão de Transparência das eleições.

Uma das afirmações rebatida pela Justiça Eleitoral é a de que existiria uma "sala escura" de apuração, o que não procede, e vem sendo um argumento citado por bolsonaristas para questionar a lisura da contagem de votos.

Nesta quinta-feira, o vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Alexandre de Moraes afirmou que a Justiça Eleitoral tem "vontade de democracia e coragem" para combater quem é contrário aos ideais constitucionais e republicanos. A fala aconteceu durante o evento de comemoração dos 90 anos da Justiça Eleitoral, em Brasília.

No Rio, Bolsonaro afirmou ainda que os votos precisam ser "contados publicamente e auditados".

"As Forças Armadas foram convidadas a participar do processo eleitoral, e não vão ser jogadas no lixo suas sugestões e observações. Quem porventura votar no outro lado, queremos que seja respeitado, e quem votar do lado de cá também. Não podemos enfrentar um sistema eleitoral (sobre o qual) paire a sombra da suspeição", disse o presidente.

O discurso foi feito ao lado dos ministros Joaquim Leite (Meio Ambiente) e Ciro Nogueira (Casa Civil), durante visita de Bolsonaro ao congresso, realizado no Jardim Botânico, no Rio. Depois de sua fala, Bolsonaro deixou o parque para almoçar em um restaurante no outro lado da rua.

Entre os integrantes da comitiva de Bolsonaro estão militares da reserva, como o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello - pré-candidato a deputado federal pelo PL no Rio - e o ex-ministro da Defesa, Walter Braga Netto, cotado como vice de Bolsonaro este ano.

"O voto é a alma da democracia, e por isso tem que ser contado publicamente e auditado. Não vão ser duas ou três pessoas que vão bater no peito, dizer que vai ser desse jeito, e que vão cassar registro e prender quem agir diferente", afirmou Bolsonaro.

O presidente alegou que "joga nas quatro linhas" da Constituição e argumentou que "geralmente o que acontece é o chefe do Executivo conspirar para se perpetuar no poder", mas que, no Brasil, estaria ocorrendo o "o contrário". Bolsonaro acusou o Judiciário, sem citar nomes, de interferência "explícita" e "indevida".

Na quarta-feira, Bolsonaro acionou a Procuradoria-Geral da República após o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli negar um pedido do presidente para investigar o também ministro Alexandre de Moraes.

"Muitos dos meus ministros sofrem com interferências explícitas do Judiciário, o que é muito lamentável. Mais da metade do tempo passo me defendendo de interferências indevidas", disse o presidente.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários