Arthur Lira e Rodrigo Pacheco
Marcos Brandão/Agência Senado
Arthur Lira e Rodrigo Pacheco

Os presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmaram nesta terça-feira que cabe ao ministro da Educação, Milton Ribeiro, dar explicações sobre a atuação de líderes evangélicos na intermediação de recursos da pasta.

À tarde, em momentos distintos, ambos falaram à imprensa sobre o assunto, mas evitaram revelar um juízo sobre o áudio publicado na segunda-feira pela “Folha de S. Paulo”.

Em reunião gravada por um interlocutor, Ribeiro diz que houve um "pedido especial" de Jair Bolsonaro para atender aos pleitos do pastor Gilmar Santos. Ele e outro líder evangélico, o pastor Arilton Moura, são apontados como articuladores de repasses para beneficiar aliados.

Enquanto Lira alegou que só tomou conhecimento de relatos da gravação, Pacheco disse que haverá oportunidades para que haja explicações.

— Todos os ministérios de estado devem tratar de maneira isonômica, levando em conta os melhores interesses de todos os estados e municípios do Brasil. Eu confio nisso, que o Ministério da Educação não vai fugir a essa regularidade de tratar todos de forma igual. É o que eu espero — disse Pacheco.

O presidente do Senado ainda acrescentou que em sua relação com o ministro "nunca presenciou qualquer tipo de má vontade" e que é preciso aguardar os desdobramentos.

— É um caso a ser explicado, esclarecido e demonstrado que não há qualquer tipo de favorecimento. Vamos dar o crédito ao ministro para que ele possa fazer a explicação devida.

Leia Também

Já Lira afirmou que, “se tiver alguma coisa que realmente fuja do padrão”, o fato pode ter repercussão.

— Não sei em que quadrante ou situação (o ministro) falou disso. Ele tem que se explicar em relação a isso. Não se pode ter dúvidas em relação à seriedade do ministro, principalmente da Educação, e do ministério. Vamos esperar. Eu soube que houve pedidos de posicionamento, inclusive da bancada evangélica. E vamos esperar para ver o que acontece.

O presidente da Câmara disse ainda que, “se for o áudio como é”, Ribeiro extrapola “um pouco a atividade do ministro e da pasta”.

— Mas vamos esperar para ver o que acontece — concluiu.

Nesta quarta-feira, Milton Ribeiro negou que o presidente Jair Bolsonaro tenha pedido atendimento preferencial a prefeituras apadrinhadas por pastores. Em nota, o ministro da Educação afirmou que todas as solicitações feitas à pasta são encaminhadas para avaliação da área técnica.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários