Arthur do Val pode ser cassado da Alesp por caso de machismo
Reprodução/Lucas Lacaz Ruiz/Agência O Globo
Arthur do Val pode ser cassado da Alesp por caso de machismo

Caso a  cassação do deputado estadual Arthur do Val (sem partido) na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) se concretize, será exceção à regra. Apesar de inúmeros episódios em casas legislativas de todo o país, o machismo raramente leva a alguma punição — e muito menos à perda do mandato.

Criado há 21 anos, o Conselho de Ética e Decoro da Câmara dos Deputados nunca puniu um caso sequer de violência contra parlamentares mulheres, mostra levantamento feito pela pesquisadora Tássia Rabelo, doutora em ciência política e professora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Nas últimas duas décadas, o colegiado analisou nove casos. Todos foram arquivados.

Episódios não faltaram. Em 2014, ainda quando era deputado, o atual presidente Jair Bolsonaro disse que Maria do Rosário (PT-RS) "não merece ser estuprada porque é muito feia". A legislatura acabou, e o mérito do caso não foi julgado. Condenado a pagar indenização, Bolsonaro emitiu um pedido de desculpas.

No ano seguinte, o conselho arquivou processo contra o deputado Alberto Fraga (DEM-DF), que disse à deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) que "mulher que bate como homem tem de apanhar como homem". Na ocasião, Fraga disse que não cabia desculpas e "apanhar" não era alusão à agressão física contra mulheres.

"Um dos elementos que contribui com a continuidade de agressões e posicionamentos discriminatórios é a impunidade", diz Tássia. Segundo ela, a ausência de denúncias não significa a inexistência da violência. "Está relacionada com o concreto medo de retaliação pelos pares, somado à percepção de que os perpetradores da violência não serão responsabilizados".

Nas demais casas legislativas, quando há punição, ela é branda. Flagrado passando a mão no seio da deputada Isa Penna (PSOL), em dezembro de 2020, Fernando Cury (sem partido) foi punido com seis meses de afastamento na Alesp.

Leia Também

Na Câmara Municipal de Curitiba, a vereadora Carla Pimentel acusou, em 2016, o colega João Galdino de Souza de ter apalpado seus peitos e puxado sua cintura. Ele nega a atitude. A Comissão Disciplinar concluiu que o ato foi uma "agressão involuntária" e suspendeu Galdino por 30 dias.

Em fevereiro , a vereadora Camila Rosa (PSD), de Aparecida de Goiânia, teve o áudio de seu microfone cortado pelo presidente da Casa, André Fortaleza (MDB), durante discussão sobre cotas de gênero. Fortaleza nega machismo e argumenta que impediu a fala por ter sido desrespeitado. Como a Câmara não tem comissão de ética, a parlamentar denunciou o caso à delegacia e à ouvidoria do Tribunal Regional Eleitoral. "Espero que haja cumprimento da lei", disse ela, que ouviu de Fortaleza que esses casos "não dão em nada".

Também ganhou repercussão a declaração do deputado estadual de Santa Catarina Jessé Lopes (PSL) de que mulheres gostam de ser assediadas e isso "massageia o ego" delas. A fala foi dita em um contexto de crítica à campanha "Não é Não", de conscientização contra o assédio.

"Parece até inveja de mulheres frustradas por não serem assediadas nem em frente a uma construção civil", afirmou ele, que foi denunciado à Comissão de Ética da Assembleia do estado, mas ficou sem punição.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários