Vídeo mostra homem sendo agredido na Feira da 25, em Belém
Reprodução
Vídeo mostra homem sendo agredido na Feira da 25, em Belém

Dois flagrantes de agressão contra pessoas em situação de rua chocaram as redes socias e viraram alvo de investigação da Polícia Civil do Pará. Nas gravações, seguranças particulares aparecem agredindo dois homens não identificados - em um deles, até uma arma de choques é utilizada.

O primeiro vídeo mostra a abordagem violenta dos vigias da Feira da 25, uma das mais tradicionais da capital do Pará, a um homem que dormia em uma estrutura de madeira. A vítima é acordada, retirada do local, acuada e agredida pelos seguranças.

"Por que vocês estão fazendo isso comigo? Todos os vigias me conhecem aqui. Vocês estão me espancando! Eu não sou marginal!" apelava o homem, enquanto era agredido com chutes, socos e golpes de cassetete.

No outro caso, um homem é agredido por seguranças em uma calçada, que pedem para que ele deixe o local. O suposto segurança usa uma máquina de choque para derrubá-lo, e dá vários chutes assim que ele cai no chão. A denúncia foi compartilhada pelo Padre Júlio Lancellotti nas redes sociais.

Sobre o primeiro caso, a Feira da 25 afirmou que a empresa de segurança, identificada como Braga Segurança Patrimonial, não presta serviços para o local, segundo apurou a Folha. A empresa disse que os seguranças atuavam nas ruas do bairro, que "não compactua com esse tipo de procedimento", e que os envolvidos foram demitidos.

O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues (PSOL) classificou a agressão como tortura, e pediu a punição dos responsáveis. "Recebi imagem de uma ação criminosa cometida por verdadeiros milicianos, funcionários de uma empresa privada. É revoltante e inadmissível. Notificamos os órgãos competentes, apelo para que a Secretaria de Segurança e o Ministério Público que investigue e puna no rigor da lei os responsáveis".

A Arquidiocese de Belém repudiou os atos de violência em nota. "Buscamos através do trabalho de nossas Pastorais, incansavelmente, promover o bem-estar de moradores de rua, pessoas abandonadas ou à margem da sociedade".

À Folha, a polícia Civil do Pará informou que investiga os casos e que instaurou um inquérito para apurar as agressões e identificar seus autores.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários