Carlos Bolsonaro
Reprodução
Carlos Bolsonaro

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) afirmou nesta terça-feira que pretende anular o decreto do prefeito Eduardo Paes que exige a apresentação do "passaporte da vacina" para frequentar uma série de locais, incluindo áreas turísticas, cinemas, teatros, áreas internas de bares e restaurantes do Rio. A proposta consta de um projeto de lei que Eduardo Bolsonaro apresentou na sexta-feira ao Legislativo. Carlos chega a comparar as regras cariocas a iniciativas tomadas por Adolf Hilter na Alemanha durante a 2ª Guerra Mundial para limitar a circulação de judeus e de outras minorias.

Réveillon 2022 : Castro confirma queima de fogos em Copacabana e em outros pontos da capital

O "passaporte da vacina" é exigido hoje em pelo menos 19 capitais com diferentes níveis de restrições. No Rio, as regras começaram a ser adotadas em setembro e têm sofrido várias modificações. Na mais recente, a prefeitura chegou a cogitar exigir o comprovante para entrar em shoppings, táxis e veículos de aplicativos, mas recuou .

Leia Também

"Para além da ofensa da dignidade da pessoa humana à moda da Alemanha hitlerista são fatos (...) que atentam (...) à dignidade da pessoa humana", afirmam trechos do documento.

Eduardo Bolsonaro também diz que há incongruência entre exigir o "passaporte" para alguns locais enquanto o transporte público não conta com qualquer restrição. Ele alega, ainda, que as empresas terão custos para se adaptar às regras.

O projeto ainda não tem data para ir a plenário. Para ser aprovado precisa passar em dois turnos por maioria simples com a presença de pelo menos 26 dos 51 vereadores do Rio.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários