Jair Bolsonaro (sem partido)
Isac Nóbrega/PR
Jair Bolsonaro (sem partido)

A apenas dois dias da realização do Enem , políticos e internautas foram às redes sociais criticar o governo federal pelas acusações de intervenção nas questões do exame. Nesta sexta-feira, o Tribunal de Contas da União (TCU) abriu um procedimento para apurar denúncias em relação à gestão do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) , órgão responsável pela prova.

“O objetivo da nossa ação no TCU, que vai investigar a conduta do presidente do INEP, Danilo Dupas, é garantir a segurança da realização do ENEM. Queremos proteger o exame educacional mais importante do país dos ataques do governo Bolsonaro”, disse o deputado federal Marcelo Freixo (PSB-RJ), um dos parlamentares à frente da representação entregue ao TCU, em sua conta no Twitter.

Políticos, especialmente da oposição, reagiram nas redes às denúncias e à recente fala de Bolsonaro que, em viagem a Dubai, afirmou que as perguntas da prova "começam agora a ter a cara do governo". Para os parlamentares, trata-se de indícios de uma intervenção do governo federal na elaboração do exame.

“A crise no Inep vai além do ENEM. É gravíssima a sanha de um governo que cogitou definir até o que entra ou não na prova. Mais grave ainda é o desmonte de um órgão que realiza o Censo Escolar da Educação Básica e a avaliação do nível de aprendizagem”, escreveu a senadora Simone Tebet (MDB-MS) na rede social.

“Não há dúvidas de que houve direcionamento e censura às provas. Precisam ser responsabilizados!”, afirmou a deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ), no Twitter.

A União Nacional dos Estudantes (UNE) também se manifestou com críticas à gestão do Inep e à elaboração do exame, que acontece nos próximos dois domingos, dia 21 e 28 de novembro:

“As evidências de censura precisam ser investigadas, queremos um ENEM seguro! É o futuro de milhares de brasileiros que está em risco”, afirmou em publicação nas redes.

A crise teve início com a saída de 37 servidores do Inep, no início de novembro, que denunciaram o presidente Danilo Dupas por assédio moral. Na terça-feira, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, negou que haja interferência política na elaboração do exame e afirmou que a crise no Instituto trata-se de uma "questão administrativa".

Leia Também

No dia seguinte, 23 servidores do Instituto emitiram um ofício aos diretores do órgão em que defendiam os 37 colegas que pediram exoneração dos cargos de chefia e reafirmavam, em nota, a “situação de fragilidade técnica e administrativa em que se encontra a gestão máxima do Inep”.

Nesta sexta-feira, uma outra acusação envolvendo a abordagem de questões sobre a ditadura militar na prova provocou críticas nas redes. Integrantes do governo revelaram, ao jornal Folha de São Paulo, que o presidente Jair Bolsonaro teria pedido ao titular da pasta da Educação, Milton Ribeiro, para que a menção ao Golpe Militar de 1964 no exame fosse tratada como revolução .

Segundo o jornal, o ministro não teria levado o pedido adiante devido ao longo processo de elaboração da prova, e por não ter acesso ao exame durante a sua criação, nem à sua versão final.

A notícia, no entanto, provocou mais uma onda de reclamações que se somaram às inúmeras realizadas nos últimos dias sobre a série de acusações de interferência do governo na prova.

“Segundo servidores, Bolsonaro pediu a troca de "Golpe de 1964” por “revolução” no Enem. Proteger a democracia é também lembrar nossa história: a ditadura foi um período com anos de censura, tortura e restrições ao voto. Não vamos ceder a ditadura da ignorância e do autoritarismo”, escreveu a deputada federal Tábata Amaral (PSB-SP).

“Bolsonaro é uma vergonha. É fundamental que os estudantes também se posicionem. Essa interferência de Bolsonaro pode mudar diretamente as notas dos alunos. Uma questão pode mudar o futuro de muitos que farão o ENEM”, disse o senador Humberto Costa (PT-PE), no Twitter.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários