Carlos Bolsonaro
Caio César/CMRJ
Carlos Bolsonaro



Oito ex-funcionários do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) mantiveram, no período em que estiveram nomeados no gabinete, ocupações consideradas incompatíveis com o trabalho de assessor na Câmara de Vereadores. A conclusão do Ministério Público do Rio (MP-RJ) foi apresentada à 1ª Vara Criminal Especializada do Rio na investigação que apura a existência de funcionários fantasmas e se houve a prática de “rachadinha” no gabinete do filho do presidente Jair Bolsonaro entre os anos de 2001 e 2019.

O MP mapeou registros no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e descobriu que parte dos funcionários tiveram vínculos empregatícios formais enquanto estavam nomeados como assessores parlamentares, o que contraria o regimento da Câmara Municipal. Para o MP, há indícios de que “diversos assessores (...) não cumpriam o regular expediente na casa, podendo assim ser considerados ‘funcionários fantasmas’”, e com a possibilidade de que “a remuneração de seus cargos fosse desviada pelo agente público”.


Na reportagem exclusiva para assinantes, veja detalhes sobre as ocupações dos supostos funcionários fantasmas no gabinete de Carlos Bolsonaro. Um deles trabalhou como técnico em laboratório de farmácia em um hospital na Zona Oeste do Rio, mas conciliou os trabalhos enquanto supostamente exercia função parlamentar.

Leia Também

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários