Marcos Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão
Reprodução
Marcos Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão

Conhecido como  Zé Trovão, o caminhoneiro e youtuber paulista Marcos Antônio Pereira Gomes ganhou notoriedade nos últimos dias por atacar as instituições democráticas brasileiras, chegando até a sugerir uma invasão ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Congresso Nacional para agredir o presidente e o relator da CPI da Covid, os senadores Omar Aziz (PSD-AM) e Renan Calheiros (MDB-AL), respectivamente.

Nascido em São Paulo, Marcos Antônio já morou em Minas Gerais, no Japão, no Paraná. Há três anos, vive em Joinvilli, em Santa Catarina, onde trabaha como caminhoneiro e youtuber. No seu canal, ele posta vídeos com conteúdo político bolsonarista, em favor do presidente e contra a democracia, mas afirmando que não é contra a democracia. Ele diz querer o impeachment dos 11 ministros do STF e, com essa bandeira, convoca a população para os atos do próximo dia 7 de setembro, com nome "Acampa Brasil".

Nas convocações, Zé Trovão pede que para as pessoas se inscreverem no site do Portal Brasil Livre, ligado à Coalizão Direita Conservadora e ao à Associação Brasileiros dos Patriotas (Abrapa). As entidades se dizem “cívicas de direito privado”. 

O canal do Youtube também possui outros conteúdos bolsonaristas, em favor do tratamento precoce contra a Covid-19 e do voto impresso.

Você viu?

Pelo seu conteúdo, Zé Trovão já foi alvo de investigação da Polícia Federal, de mandados de busca e apreensão pelo STF e, mais recentemente, de um pedido de prisão - que ele respondeu dizendo que  só vai se entregar durante o ato do dia 7 de setembro, "no meio do povo".

A prisão foi decretada pelo ministro do STF Alexandre de Moraes, ao acatar um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), ao apontar que ele estava descumprindo medidas cautelares  aplicadas pela Suprema corte. Moraes havia  determinado, em 20 de agosto, o bloqueio das redes sociais de Zé Trovão e proibido que ele se manifestasse em qualquer rede social dele ou de outros, alegando que ele estava convocando atos antidemocráticos.  Mas Trovão não respeitou a determinação.

Ligado a deputados bolsonaristas, Zé Trovão participou da motociata de Florianópoles, em 7 de agosto, quando gravou um vídeo afirmando que organizaria um ato semelhante na próxima semana em São Paulo.

“Em algum canto do Brasil eu vou aparecer. Talvez seja na [Avenida] Paulista, talvez seja em Brasília, talvez seja em Santa Catarina, no Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, não sei”, comentou em uma das transmissões pelo YouTube.

- Com informações da revista Veja.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários