Cármen Lúcia autoriza Marcos Tolentino desta quarta a permanecer em silêncio
Reprodução
Cármen Lúcia autoriza Marcos Tolentino desta quarta a permanecer em silêncio

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou o empresário Marcos Tolentino a permanecer em silêncio durante o seu depoimento na CPI da Covid no Senado, marcado para esta quarta-feira (01) .

A ministra também deu a ele "o direito de ser assistido por seu advogado e com ele se comunicar pessoal e reservadamente, garantidas as prerrogativas da Lei nº 8.906/94; b) não ser obrigado a produzir prova contra si mesmo, podendo manter-se em silêncio e não ser obrigado a responder às perguntas que possam lhe incriminar; c) não ser obrigado a responder questionamentos relativos a informações recebidas por força de sigilo profissional, decorrentes de relação firmada como advogado, sendo-lhe, contudo, vedado faltar com a verdade relativamente a todos os demais questionamentos não inseridos nem contidos nestas cláusulas".

Você viu?

Cármen Lúcia ainda permitiu que Tolentino possa ser acompanhado por um "profissional de saúde de sua escolha e poder requerer à direção dos trabalhos a presença de auxílio de profissional ou serviços de saúde da Casa Legislativa".

No pedido de liminar feito ao STF, a defesa de Tolentino alega que ele “detém grave situação clínico-médica que impede sua exposição física e psicológica ao ambiente da CPI da Covid”.

O empresário, segundo seus advogados, ficou dois meses internado com quadro de insuficiência respiratória.


Tolentino é apontado como sócio oculto da FIB Bank, alvo da CPI da Covid no Senado por ter dado uma garantia irregular no negócio bilionário da vacina Covaxin.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários