Senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP)
Divulgação/Agência Senado/Jefferson Rudy
Senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP)

O vice-presidente da CPI da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou nesta quinta-feira que a comissão pode pedir a prisão preventiva do  empresário Francisco Maximiano, dono da Precisa Medicamentos. Randolfe criticou o fato de Maximiano ter viajado para a Índia, apesar de ter depoimento marcado na CPI para a próxima semana.

"Nós recebemos a notícia, nesta semana, que o senhor Francisco Maximiano se evadiu para a Índia e pretende não ser ouvido pela CPI na quarta-feira. Eu quero recomendar ao senhor Francisco Maximiano: volte e compareça à CPI de imediato no dia que seu depoimento está marcado. Evadir-se do país quando tem uma investigação em curso é crime. E nós não titubearemos em pedir a sua prisão preventiva — disse Randolfe, em vídeo divulgado por sua assessoria."

Você viu?

A Precisa era a parceira do laboratório indiano Bharat Biotech, que desenvolveu a Covaxin, a vacina contra a Covid-19 mais cara a ter negócio fechado com o Ministério da Saúde. O negócio entrou na mira da CPI e, após suspeitas de irregularidade, acabou suspenso.

A defesa de Maximiano pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que ele possa escolher ir ou não à sessão da CPI marcada para a próxima quarta-feira. O argumento é que, por ser investigado, tem esse direito. Os advogados também informaram a Corte sobre a viagem à Índia.

Em 30 de junho, a relatora, ministra Rosa Weber, permitiu que ele ficasse em silêncio na CPI, mas não o desobrigou de prestar depoimento. A defesa diz que Rosa já deu uma outra decisão desobrigando um investigado pela CPI a comparecer, mas ela disse que, no caso de Maximiano, não ficou demonstrado sua condição de investigado. No novo recurso, a defesa insiste no mesmo argumento.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários