Presidente Jair Bolsonaro (sem partido)
Reprodução / YouTube
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

Na noite desta quinta-feira (29), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) exibiu um vídeo de um homem que se apresenta como programador dizendo que seria possível "fraudar" o sistema eletrônico. O vídeo, no entanto, mostra uma simulação da urna em uma tela de computador e sem qualquer relação com o utilizado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Durante a transmissão, o mandatário voltou a questionar a segurança das urnas eletrônicas, e disse que "não há como provar se as urnas foram ou não fraudadas" e que são apenas "indícios". Ele, porém, continuou sem apresentar provas concretas de que o sistema eleitoral apresenta falhas. Na ocasião, o mandatário apenas exibiu gravações disponíveis na internet e sem sustentação. 

Em desvantagem nas pesquisas de intenção de voto, Bolsonaro prometeu revelar, em sua live semanal, supostas "provas de fraude" na contagem de votos do segundo turno da eleição presidencial de 2014, quando Dilma Rousseff (PT) foi reeleita, vencendo Aécio Neves (PSDB).

Hoje mais cedo, Barroso, afirmou que  jamais foi documentado um episódio de fraude nas eleições realizadas com as urnas eletrônicas e que o discurso de Bolsonaro, no qual diz que se ele perder houve fraude, é a fala de quem "não aceita a democracia". 

Nas últimas semanas, o ministro vem sendo alvo de ataques do presidente Bolsonaro por defender o sistema eletrônico nas eleições , garantido por ferramentas tecnológicas, equipamentos físicos e sistemas de auditagem abertos a qualquer cidadão. Testes públicos são realizados para garantir a segurança da votação, em que hackers tentam invadir o sistema das urnas e identificar possíveis vulnerabilidades.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários