Vereador Carlos Bolsonaro  (Republicanos-RJ)
Renan Olaz/CMRJ
Vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ)

A cúpula da CPI da Covid , em acordo com a ala oposicionista, que é maioria no colegiado, decidiu colocar em  votação nesta terça-feira a quebra de sigilo telefônico e telemática de oito pessoas ligadas ao governo, entre elas o filho do presidente da República, Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Na pauta da sessão, destinada ao depoimento do ministro Marcelo Queiroga, consta também pedido de transferência de sigilo telefônico do ex-ministro Eduardo Pazuello, do ex-chanceler Ernesto Araújo, do ex-secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, e suas empresas, e do assessor especial da Presidência, Filipe Martins.

Há, ainda, requerimentos de quebra de sigilo telefônico que miram auxiliares que trabalharam com Pazuello, como a secretária Mayra Pinheiro, do Ministério da Saúde, e o marqueteiro Marcos Eraldo Arnoud, conhecido como Markinhos Show. O empresário Carlos Wizard, apontado como integrante do "gabinete paralelo", também deve ter sigilo quebrado. Todos os pedidos são de autoria do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

Na mesma sessão, o grupo dos independentes e da oposição, apelidados de G7, também pretende aprovar a convocação de outros supostos integrantes do chamado 'gabinete paralelo' , como o  deputado Osmar Terra (MDB-RS) e o médico Paolo Zanotto . Os dois aparecem em um evento do Palácio do Planalto, em setembro do ano passado, no qual se levantou a possibilidade de criar um "shadow cabinet" (gabinete das sombras, em tradução literal), para discutir questões da vacina para a Covid-19 no Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários