Wellington, brasileiro encontrado morto em Berlin, na Alemanha
Reprodução
Wellington, brasileiro encontrado morto em Berlin, na Alemanha

A família de Wellington de Souza Frankel, brasileiro de 35 anos, que foi encontrado morto em seu apartamento em Berlin, na Alemanha, no último final de semana, encontra obstáculos para trazer seu corpo para o Brasil. Ele é natural de Gurupi (TO).

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, o traslado de corpos brasileiros falecidos no exterior para o Brasil é uma decisão da família e não há previsão regulamentar e orçamentária para o pagamento do traslado pelo poder público. As informações são do G1.

A família diz não saber o que aconteceu com Wellington e não sabem se há inquérito policial aberto para apurar as causas da morte.

"Só sabemos que ele está no IML, que a perícia ainda vai começar sexta o terça da outra semana e a gente precisa entrar o mais rápido possível, porque senão vão enterrá-lo como indigente, e a gente não quer isso porque ele tem mãe, tem família", disse a tia do rapaz.

De acordo com os parentes, o transporte do corpo custaria cerca de R$ 100 mil. A família faz campanha para conseguir o montante enquanto pede ajuda da embaixada brasileira.

Íntegra da nota do Itamaraty

O Itamaraty, por meio da Embaixada do Brasil em Berlim, está à disposição para prestar a assistência cabível à família da vítima, respeitando-se os tratados internacionais vigentes e a legislação local. Os contatos da Embaixada podem ser acessados pelo seguinte  link .

Você viu?

Em caso de falecimento de cidadão brasileiro no exterior, os consulados brasileiros poderão prestar orientações gerais aos familiares, apoiar seus contatos com autoridades locais e cuidar da expedição de documentos, como o atestado consular de óbito.

O traslado ou não dos restos mortais de brasileiros falecidos no exterior para o Brasil é uma decisão da família. Não há previsão regulamentar e orçamentária para o pagamento do traslado pelo poder público. A depender da causa da morte, a assistência consular também pode incluir o acompanhamento das investigações junto às autoridades locais.

Em atendimento ao direito à privacidade das pessoas envolvidas e em observância ao disposto na Lei 12.527 (Lei de Acesso à Informação) e em seu regulamento, o Ministério das Relações Exteriores não fornece informações sobre casos individuais de assistência a cidadãos brasileiros.
Atenciosamente,

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários