Bolsonaro falando em cerimônia no Mato Grosso do Sul
Reprodução
Bolsonaro falando em cerimônia no Mato Grosso do Sul

Nesta sexta-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro , esteve presente em um evento no Mato Grosso do Sul , onde participou de uma cerimônia de entrega de títulos na cidade de Terrenos. Durante evento, ele novamente falou sobre o voto impresso, sobre a cloroquina, as eleições de 2022 e menciona o fato de o ex-presidente Lula ter se tornado elegível. 

Em momentos de sua fala durante o evento, Bolsonaro menciona o quão difícil é estar em um cargo de poder no Brasil e como acabou "quebrando a cara" na construção dos ministérios em seu governo, apontando o da Justiça e o da Saúde.

"Não é fácil ser patrão no Brasil. Firmamos posição, buscamos um ministério técnico, eu quebrei a cara com o da Justiça e o de Saúde também. No meu governo eu troco todo mundo, mas não tem troca-troca, só para deixar bem claro”, manifestou Bolsonaro.

Ele ainda fala sobre o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, sem mencionar seu nome, o chamando do "Pernetta" e criticando as medidas de restrição impostas por ele na época em que comandava a pasta.

Menciona novamente o voto impresso e diz que se o Congresso Nacional avançar com o  projeto da PEC, o voto impresso será instaurado no Brasil para as próximas eleições presidenciais. “Eu tenho falado, se o Congresso Nacional votar e promulgar uma PEC do voto impresso, teremos voto impresso ano que vem. Eleições dali pra frente, só com voto impresso”.

A cloroquina , medicamento muito falado e promovido pelo presidente durante a pandemia também foi mencionado durante sua fala. Bolsonaro ressalta que quem faz a escolha de usar o remédio, não pode ser descriminado por isso. Ainda compartilha que ignorou uma recomendação médica ao se automedicar com a cloroquina na época em que se contaminou com o novo coronavírus.

“Quem é contra, é um direito dele. Mas não vem querer criminalizar quem a use. Quando senti o problema, chamei meu médico e ele falou: você tá com todos os sintomas. Ai peguei a caixinha da cloroquina e ele disse: 'olha, vamos esperar um pouquinho mais'. Então eu disse: 'Bicho, você quer voltar pra tropa ou quer que eu tome cloroquina agora?'. A saúde é minha”, declarou o presidente.

“Eu não sou médico. Quando eu tenho problema de estômago sabe o que eu tomo? Coca-cola. Ninguém vem me encher o saco dizendo pra tomar outra coisa. O bucho é meu”, continuou.

Você viu?

Sobre o ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, Bolsonaro disse: "O bandido foi colocado em liberdade, foi tornado elegível para se tornar presidente. Ano que vem, ele só ganha na fraude", disse Bolsonaro.

O presidente não deixou de comentar sobre a CPI da Covid e nesse momento, os apoiadores que assistiam à fala de Bolsonaro lançaram um grito de: "Fora Renan", se referindo ao senador e relator da comissão, Renan Calheiros, que recentemente foi xingado por Bolsonaro. Ele considera que a comissão deveria ampliar suas investigações para apurara a conduta dos governadores e prefeitos durante a pandemia .

Se mostrou contrario as medidas de restrição impostas nas cidades, falando que o lockdown não tem nenhuma comprovação científica e diz que escolha quase "quebrou o Brasil". “Quase quebraram o Brasil ano passado, não conseguiram porque eu falei que só deus me tira de lá. Temos que enfrentar a realidade. Lamento aos mortos, eu já perdi parentes e amigos, mas nós temos que enfrentar esse problema". 












    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários