Presidente Jair Bolsonaro
Ethel Rudnitzki, Laura Scofield
Presidente Jair Bolsonaro









Você viu?



O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar a imprensa e disse que o "certo" seria tirar alguns jornais de circulação, dizendo que são " fábricas de fake news ". No entanto, afirmou que não tomaria nenhuma medida em relação a isso por defender a democracia. A declaração foi feita em um vídeo publicado no perfil do Instagram do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL).

Além disso,  Bolsonaro também criticou a restrição imposta pelo Facebook para que recebesse imagens de seus apoiadores sobre os impostos cobrados em combustíveis. O  presidente afirmou que a Advocacia-Geral da União (AGU) foi acionada para que investigue o bloqueio imposto pela plataforma, que proibiu a publicação de imagens em páginas de conteúdo político.

"O certo é tirar de circulação  GloboFolha de S.PauloEstadãoAntagonista . São fábricas de fake news . Agora deixa o povo se libertar, ter liberdade. Logicamente, se alguém extrapolar alguma coisa, tem a Justiça para recorrer. Agora o Facebook vir bloquear a mim (sic) e a população. É inacreditável que isso impere no Brasil. E não há reação da própria mídia", afirmou.

Apesar da declaração, Bolsonaro disse que não tomaria providências para a censura aos jornais por ser "um democrata".


Preço dos combustíveis

No último dia 11, sob pressão dos setores de transporte e dos caminhoneiros devido ao preço dos combustíveis, o presidente disse aos apoiadores que mandassem a foto das notas fiscais e valores pagos após abastacerem os veículos. De acordo com Bolsonaro, o intuito é encontrar indícios de bitributação e esclarecer as alíquotas pagas em impostos federais e estaduais. 

"Aos críticos: fiquem tranquilos, vocês estão sempre preocupados com alguma coisa. Os combustíveis continuam aí com uma nuvem muito carregada no horizonte mas vamos resolver esse problema", disse Bolsonaro.

    Leia tudo sobre: Facebook

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários