Presidente Jair Bolsonaro e vice-presidente Hamilton Mourão
Agência Brasil
Presidente Jair Bolsonaro e vice-presidente Hamilton Mourão

Em entrevista divulgada nesta quarta-feira (27) pela CNN Brasil, o  vice-presidente Hamilton Mourão revelou sentir falta de diálogos mais frequentes com Jair Bolsonaro e colocou em dúvida se continuará na chapa que disputará a reeleição em 2022.

"Não há conversas seguidas entre nós. As conversas são bem esporádicas", revela o general.  “Faz falta, sim. Faz falta até para eu entender em determinados momentos o que eu preciso fazer", completa, ao ser questionado se sente falta desses diálogos.

Por conta disso, Mourão considera “difícil” ser convidado por Bolsonaro para continuar integrando a chapa, em 2022, quando o presidente buscará a reeleição. E caso haja o convite, despistou. “Depende, teríamos de ter uma conversa”.

Apesar desse impasse, Hamilton Mourão chegou a citar uma icônica frase do então vice-presidente Michel Temer ao dizer que não é um “vice decorativo”:

Você viu?

"Não me considero decorativo, porque eu tenho algumas responsabilidades, algumas atribuições que me dão uma certa liberdade de manobra”, afirma o militar, que é presidente do Conselho da Amazônia.

Mesmo distante de Bolsonaro, o vice declarou "não ser candidato a nada” e que “em hipótese alguma” irá concorrer contra o presidente.

Questionado sobre a “guerra” política travada entre o Planalto e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) , inflada com a vacina contra o novo coronavírus, Mourão considera que houve erro das duas partes:

“Tanto do nosso lado aqui do governo, como do Doria. Aí começa um chama de mentiroso, o outro chama de não sei o quê. Isso não é a política”, diz. "Vejo que isso aí foi algo que, vamos dizer assim, fugiu à boa política. Essa é minha visão. Fugiu à boa política”, completa.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários