Fabrício Queiroz é ex-assessor de Flávio Bolsonaro.
Reprodução
Fabrício Queiroz é ex-assessor de Flávio Bolsonaro.

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) disse que não é “crível” a alegação do ex-assessor Fabrício Queiroz, de acordo com a qual o atual senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) não teria envolvimento na prática de “rachadinhas” na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) . As informações são da CNN Brasil .

Em depoimento escrito ao MP, em 2019, Queiroz admitiu que havia esquema de “rachadinhas” na Alerj, mas negou o envolvimento do então deputado estadual Flávio Bolsonaro.

Segundo a CNN, o MP considera que não é “ crível que o referido assessor houvesse arrecadado milhões de reais em repasses de assessores da Alerj, ao longo de mais de dez anos, sem que seus superiores tivessem conhecimento do fato e nem auferido qualquer vantagem do ilícito praticado”.

Em denúncia enviada à Justiça, promotores do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc) apontam Flávio Bolsonaro como o “líder da organização criminosa”.

O Ministério Público também acredita que Queiroz não agia sozinho, como alegou aos promotores, por causa de uma conversa entre o ex-assessor e uma funcionária fantasma do gabinete de Flávio Bolsonaro.

O diálogo é do início de 2018 e foi encontrado no celular de Queiroz, durante busca e apreensão do aparelho. Na conversa, Queiroz pede a Danielle Mendonça da Costa que informe o valor depositado na conta dela, porque ele precisava “prestar a conta” dos recursos ilícitos à organização.

Em nota, a atual defesa de Fabrício Queiroz disse que “a afirmação acerca da contratação informal de assessores consta de petição protocolada em 2019 pelos advogados que então o defendiam”.

“Reafirmamos que nosso único compromisso é com a verdade dos fatos, que será demonstrada pelas provas que estão sendo produzidas e conduzirão à absolvição”, conclui o advogado Paulo Emílio Catta Preta.

A defesa de Flávio Bolsonaro afirmou que não irá se manifestar, pois o processo está sob sigilo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários