Anvisa suspendeu testes da vacina chinesa após morte de voluntário
Divulgação
Anvisa suspendeu testes da vacina chinesa após morte de voluntário

Congressistas reagiram negativamente às declarações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por ele ter comemorado a suspensão dos testes da vacina CoronaVac contra a Covid-19 (Sars-CoV-2), determinada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Alegando "evento adverso grave", a agência suspendeu os exames do imunizador. Nas redes sociais, Bolsonaro afirmou ter “ganhado mais uma” do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), apoiador da vacina.

A morte de um profissional de saúde voluntário dos testes da CoronaVac para a Covid-19, em São Paulo, deu-se em decorrência de um suicídio. A informação consta em boletim de ocorrência registrado na capital paulista.

Após o episódio, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) apresentou requerimento para que o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, e o diretor do Instituto Butantan, Dimas Tadeu Covas, prestem esclarecimentos na comissão especial que acompanha ações de combate ao novo coronavírus no País. Para Randolfe, a Anvisa pode ter sido instrumentalizada para cumprir "caprichos" de Bolsonaro.

"Trata-se de mais uma atitude repugnante do Presidente de República. Ele se utiliza da morte de um paciente e da paralisação dos estudos clínicos de uma vacina que pode salvar milhares de vidas para se vangloriar. Dada a atitude do Presidente da República, não podemos descartar que a ANVISA tenha sido instrumentalizada para cumprir os caprichos do Presidente e lhe garantir 'mais uma vitória' às custas da saúde, e das vidas, de todos os brasileiros", disse Randolfe no requerimento.

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) afirmou que o Senado deve agir contra a postura adotada por Bolsonaro e pela Anvisa. Para Tasso, a atitude foi "inaceitável".

"Eu não posso deixar de mostrar minha mais profunda indignação diante das declarações do presidente Bolsonaro ao declarar-se vencedor por uma suposição, que uma vacina (salvadora de vidas) fracassou e, uma pessoa supostamente morreu! Sem falar na irresponsável atitude da Anvisa. É absolutamente INACEITÁVEL por parte da presidência da república!!! Nunca esperei ver nada parecido no Brasil! O Senado não pode se omitir."

Líder do Cidadania no Senado, Eliziane Gama (MA), afirmou que o episódio é "absurdo" e gera indignação.

Você viu?

"O mundo todo na expectativa por uma vacina. O Brasil em luto pelos + de 163 mil mortos pela Covid-19 e o pres. Bolsonaro vem a público comemorar a suspensão feita pela Anvisa da fase 3 da Coronavac. Causa indignação a disputa política quando a prioridade é salvar vidas. Q absurdo", escreveu no Twitter.

O líder do Cidadania na Câmara, Arnaldo Jardim (SP), chamou a declaração do presidente de "inconsequente". Na visão do parlamentar, "Bolsonaro se comporta de maneira antiética e desprezível".

A deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR), também presidente nacional da sigla, chamou o presidente de genocida.

"Bolsonaro comemora a suspensão da Anvisa dos testes da Coronavac como se fosse disputa política. Diz que ganhou com com 160 mil mortos e 5,4 milhões de infectados? Esse homem precisa ser interditado. Genocida! O que interessa é se a vacina tem eficácia e não origem. Defendemos a saúde do povo!", disse Gleisi.

O senador Cid Gomes (PDT-CE) também criticou Bolsonaro. "O presidente continua a campanha insana de negar qualquer avanço humanitário. Agora, comemora de maneira absurda um eventual fracasso na evolução de uma vacina para combater o coronavírus. E sem qualquer pudor", afirmou Cid.

Já o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, afirma que politização da vacina não vai curar a doença.

"É lamentável o que está acontecendo: politização da vacina que nos livrará do coronavírus. A decência e a saúde exigem prato limpo: dado o que disse o Butantã, que a Avisa se explique. E logo. Revela a motivação política. É o exterminador do futuro."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários