Márcia Aguiar e Queiroz posando para foto
Reprodução
Mulher de Queiroz, Márcia Aguiar é considerada foragida da Justiça

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, decidiu mandar Fabrício Queiroz , ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-SP), para prisão domiciliar. A decisão foi tomada pelo magistrado nesta quinta-feira (9) e se estende à mulher dele, Márcia Aguiar, que segue foragida da Justiça.

Queiroz cumpre prisão preventiva no complexo penitenciário de Bangu, no Rio de Janeiro, desde o dia 18 de junho, e a transferência se dá após um  pedido da defesa dele.

A decisão de Noronha foi tomada com base em uma recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) levando em conta as condições de saúde do ex-assessor e a situação da pandemia da Covid-19 , doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Para cumprir essa decisão, Queiroz deverá usar tornozeleira eletrônica e indicar o endereço onde vai ficar, dando acesso antecipado a autoridades policiais que vão verificar as condições do imóvel e retirar qualquer forma de contato exterior.

Além disso, o presidente do STJ determinou que Queiroz sempre deverá permitir acesso à polícia quando necessário a fim de garantir a vigilância permanente do local para impedir acesso de pessoas não autorizadas.

Queiroz ainda está proibido de ter contato com terceiros — com exceção de familiares, profissionais da saúde e advogados informados previamente —, deverá desativar telefones fixos e entregar aparelhos como celulares, computadores, laptops e tablets.

Todas essas determinações também valem para Márcia Aguiar, por se presumir que sua presença ao lado de Queiroz seja recomendável para dar as atenções necessárias.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários