homem de terno e gravata
Reprodução
Eduardo Bolsonaro

A repórter Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de S.Paulo, entrou com pedido de indenização por danos morais na justiça contra o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) após uma sequência de falas ofensivas de cunho sexual contra a profissional em transmissões ao vivo.

O processo anunciado pelo jornal nesta segunda-feira (15) é o terceiro de indenização movido pela jornalista, que foi coautora de uma  reportagem sobre disparos em massa que teriam beneficiado a chapa Bolsonaro-Mourão nas eleições de 2018.

Antes de Eduardo, Mello entrou na justiça contra Hans River, que a insultou de tentar seduzí-lo em troca de informações durante apuração da reportagem; o presidente Jair Bolsonaro, que falou da jornalista em tom pejorativo durante conversa com apoiadores , o deputado estadual André Fernandes (PSL-CE) e o blogueiro Allan dos Santos, que também reproduziram as mentiras de Hans.

Leia também

Em defesa, a advogada da jornalista, Taís Gasparian, classifica a afirmativa feita por Eduardo sobre o trabalho de Patrícia como "leviana, repugnante e machista", que atinge às mulheres, "menospreza a atividade profissional desenvolvida e incita que violências de toda sorte sejam cometidas".

As informações dadas por Hans em conversa com a Comissão Parlamentar das fake news e reproduzida pelos quatro homens processados já foi desmentida pela Folha de S.Paulo com base em registros de conversas guardados pela repórter.

    Veja Também

      Mostrar mais