Caram
Divulgação
Edson Caram, secretário de transportes, pediu demissão depois de pressão sobre transportes lotados em meio à pandemia

Nesta sexta-feira (12), o secretário Municipal de Transportes de São Paulo, Edson Caram, apresentou pedido de exoneração à prefeitura. O prefeito Bruno Covas (PSDB) já havia sinalizado a demissão do chefe da pasta caso os ônibus continuassem funcionando cheios, com passageiros em pé.

Leia:
Bolsonaro derruba medida que liberava Weintraub a nomear reitores
Situação do Brasil é preocupação crescente, diz OMS

“O secretário [de transportes, Edson Caram] tem até sexta (12) para conseguir fazer isso [que os ônibus não tenham pessoas em pé]. Se até sexta ele não conseguir fazer isso, a partir de segunda é outro secretário que vai tentar fazer”, disse Covas no início desta semana. O cenário descumpre a determinação da gestão tucana que fala em evitar aglomerações em meio à pandemia de Covid-19, mesmo nos transportes públicos.

Em nota, a prefeitura expressou que o prefeito aceitou a saída de Caram, mas solicitou que o ex-gestor de transportes  permaneça no cargo “por mais alguns dias”, até que um substituto seja escolhido para assumir a secretaria.

O governo municipal não citou o prazo para a escolha do novo secretário.

Os ônibus da capital iniciaram esta semana com  200 mil passageiros a mais que na segunda-feira anterior, após a flexibilização do comércio na cidade.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários