homem de terno e gravata
Facebook/Reprodução
Procurador Carlos Fernando Lima

Em entrevista veiculada pelo jornal Folha de S.Paulo deste domingo (7), o ex-procurador da República, Carlos Fernando Santos Lima, um dos líderes da Lava Jato no começo da força-tarefa, afirmou que a associação do ex-juiz Sergio Moro com o governo de Jair Bolsonaro afetou a reputação da operação.

Leia também: Em entrevista, Moro compara Bolsonaro com PT e critica presidente

O ex-procurador fez duras críticas ao governo de Jair Bolsonaro e disse que, antes mesmo de Moro assumir o cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública, foi consultado pelo então juiz e mostrou preocupação. "Manifestei que eu tinha dificuldade com esse governo. Eu vejo que, num certo momento, ela custou muito caro para a Lava Jato", afirmou. Segundo Lima, a ida de Moro ao governo provocou uma discussão política desnecessária.

Para Lima, as atitudes de Jair Bolsonaro durante a pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2) são “genocidas” e o governo do presidente conservador contraria a constituição. “Eu acho que a solução em relação a Bolsonaro é o impeachment. Para mim ele já cometeu crimes de responsabilidade muito maiores e mais graves que a Dilma”, disse.

Leia também: "É uma fixação doentia", diz deputada Joice Hasselmann sobre bolsonaristas

Questionado sobre o trabalho do Procurador Geral da República, Augusto Aras, o ex-procurador afirmou que é "crítico" ao papel dele. "Antigamente existia isso de uma forma velada, mas hoje é absurda a corrida para agradar Bolsonaro", afirmou. Ele considerou, ainda, a situação da PGR hoje como um "aparelhamento" em relação ao interesse das pessoas na cadeira do ministro Celso de Mello, que deve se aposentar ainda em 2020.

Carlos Fernando Santos Lima foi um dos líderes da Operação Lava Jato em Curitiba entre os anos de 2014 e 2018.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários