Zambelli é acusada por petistas de praticaf tráfico de influência
Divulgação/Assessoria de imprensa de Carla Zambelli
Zambelli é acusada por petistas de praticaf tráfico de influência


O procurador-geral da República, Augusto Aras , pediu nesta quarta-feira (4) a abertura de investigação preliminar da deputada Carla Zambelli (PSL-SP) após a análise de uma notícia-crime apresentada pelo PT junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) sobre as mensagens que a parlamentar trocou com o ex-ministro Sergio Moro . Nas conversas, Zambelli pediu para que Moro continuasse no governo para que, no futuro, ele fosse indicado a uma vaga no Supremo.

Leia também:
Carla Zambelli justifica ausência em ato pró-Bolsonaro com laudo médico
Zambelli diz que não sabia das operações da PF e defende que não houve vazamento
Zambelli disse a Moro que Bolsonaro "cairia" com demissão, mas apagou mensagem

Em comunicado ao STF, Aras disse que determinou a instauração de um procedimento para verificar os fatos relatados e que vai tomar medidas cabíveis se for necessário.

"Na eventualidade de serem reunidos indícios robustos de possível prática de ilícitos, serão adotadas as medidas legalmente cabíveis", escreveu o procurador.

Por conta dessa instauração, Aras pediu que o ministro Celso de Mello, decano do STF, arquive a petição feita pelo PT para permitir que a PGR avalie o caso.

De acordo com as acusações do PT, Zambelli cometeu os crimes de tráfico de influência e de advocacia administrativa após trocar mensagens com Moro a fim de convencê-lo de não se demitir. À época, o então  ministro deixou o Planalto justificando que o  presidente Jair Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal ao demitir Maurício Valeixo da diretoria-geral da instituição.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários